Portal Tour na Itália: turismo, cultura, tours, serviços e experiências!

O que ver em Bergamo, entre o medieval e o moderno

O que ver em Bergamo: beleza e contraste entre o medieval e o moderno. Bergamo é uma cidade com dois corações: a parte alta, o centro histórico da cidade, com suas praças, paredes e edifícios ricos em tradição. E a parte inferior, um centro econômico moderno e dinâmico. Uma combinação de história e natureza que a torna um dos lugares mais evocativos da Lombardia.

*O nome da cidade em italiano é Bergamo, assim mesmo sem acento. Já em português, usa-se o acento – Bérgamo.

Um pouco de história

A cidade de Bergamo tem origens celtas. Seu nome deriva das palavras Berg” (uma montanha) e heim (uma casa) . Rodeada pelos Pré-Alpes, a cidade foi logo conquistada pelos romanos, que não perderam a oportunidade de usufruir deste reduto estratégico natural.

Com o fim do Império Romano, lombardos e francos sucederam-se no domínio da cidade. Posteriormente, caiu sob o domínio dos Visconti de Milão e, depois de alguns anos, sob o da República de Veneza. Com o Congresso de Viena, a cidade foi cedida à Áustria até a unificação da Itália e o estabelecimento da província de Bergamo. Hoje Bergamo é dividido em duas partes: Alta Bergamo, uma cidade medieval rica em história e monumentos, e Baixa Bergamo: a cidade moderna, um próspero centro comercial.

Introdução

Bergamo é uma cidade com cerca de 127 mil habitantes, localizada na região da Lombardia, no norte da Itália, e faz parte da província de Milão. A extensão de Bergamo (38,8km²) é dividida em Cidade Baixa e Cidade Alta.

Para chegar à Cidade Alta é preciso ir de funiculare (funicular), um tipo de bondinho que, literalmente, o transporta para outro século, pois você sai de uma cidade moderna e desembarca em uma cidade medieval, todinha murada, herança dos celtas que fundaram a comuna, ainda no século VI a.C. A cidade Alta tem praças e vielas estreitas com ruas calcetadas. É cercada por muralhas venezianas, com estações de funiculares em vários pontos. Atrai os turistas pelo charme de seus prédios medievais e históricos.

Já a Cidade Baixa tem uma diferença gritante com a Cidade Alta, por ser intensa, moderna e comercial, mas nem por isso menos atraente. Possui ruas chiques como a Via Torquato Tasso, e na mesma região fica o Palácio da Província e a antiga Sede da Prefeitura de Bergamo, construções do século XIX. As antigas portas da cidade ficam a 300 metros dali. Uma delas é a Porta Nuova, e a outra é a Torre dei Cadutti, que foi erguida em homenagem aos soldados que morreram na guerra.

Ainda na cidade baixa você verá ruas muito movimentadas, excelentes para fazer compras e também a Via Vittoro Emanuele II, onde se encontra uma estação do funiculare. Na cidade baixa, ao lado do mosteiro, fica a igreja mais bonita de Bergamo: a Igreja de San Benedetto.

5 Coisas que você deve fazer em Bergamo

  • Toque nas bolas de Colleoni : um pequeno rito de sorte. No portão da Capela Colleoni existe um brasão que representa os “atributos” de Bartolomeo Colleoni. Há três deles e … diz-se que esfregá-los traz boa sorte
  • Prove a Stracciatella : aqui em Bérgamo é a sorveteria onde a Stracciatella foi inventada. Depois prove no “La Marianna”, no Colle Aperto
  • Città Alta com o funicular : há 120 anos os funiculares atravessam as muralhas de Bérgamo, ligando o centro contemporâneo ao coração medieval da cidade
  • Conta as cem badaladas do Campanone : durante séculos, todas as noites às 22h, na Piazza Vecchia, o grande sino no topo da torre cívica soou 100 badaladas. Era o aviso indicando o fechamento das portas
  • Compras no Outlet Village Franciacorta : a apenas uma hora de Bergamo, neste outlet gigante você encontra as melhores roupas de grife com mais de 70% de desconto!

O que ver em Bergamo Alta

Como ja citado acima, o acesso é feito através do funicular que parte da Cidade Baixa. O ideal, ao chegar ao topo, é perder-se nas bonitas vielas medievais da vila, coração histórico da cidade.

1. Piazza Vecchia

O centro de Bérgamo Alta, onde todos os caminhos se encontram é a Piazza Vecchia, considerada pelo urbanista Le Corbusier uma das praças mais bonitas da Europa. Foi construída no local onde estava o fórum romano e se abre para ruas estreitas e vielas.

É dividido da Piazza Duomo pelo pórtico do Palazzo della Ragione, a mais antiga sede municipal existente na Lombardia. No centro, porém, está a Fonte do Contarini com suas esfinges rodeadas por quatro leões, símbolo de Veneza. A Piazza Vecchia está rodeada pelo Palazzo della Ragione, o Campanone, o Palazzo del Podestà e a Biblioteca Angelo Mai com seus 600 volumes antigos.

Ainda na Cidade Alta, além do Campanone, também merece menção a Torre del Gombito : com 52 metros de altura.

Piazza Mercato delle Scarpe (do mercado de sapatos) também é muito bonita (é inútil explicar sua função no passado!).

2. Basílica de Santa Maria Maggiore

Situada na Cidade Alta, é uma igreja majestosa, onde a beleza do romantismo da fachada desafia a explosão de arte barroca em seu interior. Surgiu de uma promessa do povo de Bérgamo no ano de 1.100, quando uma epidemia de peste assolou a população da Europa. Em cumprimento ao prometido, a igreja começou a ser erguida em 1.137, na Piazza del Duomo. Esse local foi escolhido por tratar-se de um lugar onde havia um templo dedicado à Deusa Clemenza (Misericórdia). A gratidão por estarem vivos fez com que trabalhassem com mais afinco e carinho e o resultado foi uma igreja linda, muito além das expectativas. A fé permaneceu no seio das famílias, que durante os séculos seguintes foram colocando afrescos valiosos, com a parte de madeira toda marchetada pelo artista Lorenzo Lotto.

Hoje a Basílica de Santa Maria Maggiore tem em seu interior o monumento funerário dedicado ao símbolo e representante de Bérgamo no mundo, o famoso compositor musical Gaetano Donizetti. O que chama a atenção para esta construção e a inexistência de entrada principal na fachada. A igreja tem apenas entradas laterais, pois a fachada de antigamente era uma parede única com o palácio vizinho. As entradas norte e sul são guardadas por quatro leões de mármore vermelho e branco. No Portal Norte encontram-se os Leões Vermelhos, feitos com mármore Veronese. No lado Sul fica a Piazza Rosale, com o Portal do Lions Brancos, construídos com mármore Candoglia, de Piemonte.

Admire o maravilhoso teto : assim que você entrar, certifique-se de olhar para cima, você verá um maravilhoso teto decorado com ouro e afrescos

3. Capella Colleoni

Trata-se de um mausoléu e capela, anexos à Basílica de Santa Maria Maior, um mix de beleza e arte bem no coração da Cidade Alta, considerado o edifício mais majestoso de Bergamo. Construído entre 1470 e 1476 por Giovanni Antonio Amadeo, é um dos melhores exemplos do Renascimento na cidade e é dedicado aos Santos Bartolomeo, Marco e Giovanni Battista.

Sua estética requintada impressiona e fascina quem a visita. Possui fachada decorada em mármore vermelho e branco, registro do Renascimento italiano, uma verdadeira obra prima, recheada de arte. Em seu interior encontram-se bancos de madeira entalhada, a estátua equestre do líder Bartolomeu Colleoni e os sarcófagos de sua filha Medéia, todo em mármore, dentre outras obras lindíssimas. Além de ser muito visitada durante o dia, muitas pessoas passam por ela à noite, somente para tocar no os “atributos” de Bartolomeo Colleoni que estão no seu brasão, incrustrado em seu portão. Diz a lenda que quem tocar nesse símbolo à meia noite, terá sorte por toda vida.

3. Duomo

Ao lado da Basílica de Santa Maria Maggiore , aqui está a Catedral de Sant’Alessandro, o Duomo de Bergamo. É difícil tirar os olhos deste edifício. Tão cândido externamente quanto “carregado” com pinturas, tapeçarias e a sugestiva Capela do Crucifixo internamente.

Com toda a probabilidade, o Duomo perde a comparação com a vizinha Basílica de Santa Maria, mas ainda vale a pena uma visita. Na verdade, várias camadas arquitetônicas de diferentes épocas foram descobertas sob a Catedral, que já era um local de culto no início da era cristã.

4. Palazzo della Ragione

É o edifício municipal mais antigo da Itália  Foi construída após a Paz de Constança, quando os municípios italianos descobriram a autonomia e começaram a dotar-se de estruturas administrativas próprias. O pórtico sobre o qual está construído funciona como uma “pequena praça”, que divide a Piazza Vecchia da adjacente Piazza del Duomo.

Observe, no chão, o relógio de sol de 1798 do abade Giovanni Albrici. O sol, passando por um disco perfurado, ilumina as lajes da varanda indicando o meio-dia solar e o signo do zodíaco em que estamos (ou seja, o mês e a estação). O fenômeno é observável todos os dias às 12h00.

No primeiro andar do edifício está a esplêndida Sala delle Capriate com as janelas e a varanda com vista para a Piazza Vecchia. O Palazzo ainda é sede do Museu do Afresco que preserva cerca de 100 afrescos recuperados da cidade e da província de Bergamo. O destaque são os afrescos de Bramante que adornavam a fachada do Palazzo del Podestà e que representavam 7 magos segurando folhas com passagens das obras de Sêneca.

Porque Palazzo della Ragione? O nome refere-se ao período do domínio veneziano, durante o qual o edifício foi utilizado como tribunal. Aqui os juízes ouviram as disputas que surgiram entre os cidadãos e decidiram pela “razão” que, segundo a lei, tinha “razão”.

5. Palazzo del Podestà e Campanone

Outro grande protagonista da Piazza Vecchia é a Torre Cívica, mais conhecida como “ Campanone “. Com seus 53 metros de altura, é uma das mais altas da Europa e um símbolo de Bergamo.  Construída como uma casa-torre da nobre família Suardi-Colleoni, tinha originalmente 37,7 metros de altura. Em 1374 foi adquirido pelo município para formar os presídios municipais, depois em 1500 foi aumentado de altura, foi acrescentada a nova cela para os sinos e o relógio atual, atingindo os atuais 53 metros. Lá de cima a vista de Bergamo é linda e para chegar lá você tem duas opções: 230 degraus a pé ou um elevador confortável!

Ao lado da torre está o Palazzo del Podestà, que pertencia à mesma família. Hoje abriga um museu multimídia sobre a história da cidade . Na fachada do edifício, que dá para a Piazza Vecchia, Bramante pintou seus 7 filósofos, dos quais apenas os fragmentos preservados na Sala delle Capriate no Palazzo della Ragione permanecem.

Dica:

Ouça o bater dos sinos : todas as noites, às 22 horas, os sinos continuam a cumprir a sua função centenária. Eles tocam 100 vezes para avisar do fechamento dos portões da Cidade Alta!

6. Mure Venete (muralhas da cidade)

Recentemente incluída na lista de Patrimônios Mundiais da UNESCO, as Muralhas de Bergamo (também conhecidas como venezianas ) localizadas na parte superior. As paredes têm 5 km de comprimento e estão a reviver uma época de ouro, graças a um cuidadoso trabalho de limpeza e manutenção efectuado por voluntários.

As Muralhas Venezianas foram construídas no século XVI pela República de Veneza, com o objetivo de defender a cidade dos ataques inimigos; hoje oferecem uma vista deslumbrante não só sobre toda a região de Bergamo, mas também sobre a “vizinha” Milão. Ao longo do caminho, binóculos são instalados para admirar o horizonte.

Eles podem ser alcançados de ônibus do centro de Bergamo Bassa. Pegue o ônibus n ° 1 da estação V.le Papa Giovanni XXIII, parando na Viale delle Mura 40 S.Giacomo (15 min). Em alternativa, o funicular Città Alta-Stazione Inferiore (incluído no bilhete de autocarro, 75 min a partir de € 1,30)

O que ver em Bergamo Baixo

A área comercial de Bergamo tem um nome e é marcada com um número. Trata-se da via XX Settembre, uma zona animada situada na Baixa, onde se pode realmente comprar de tudo, graças às inúmeras e diferentes lojas ao longo de todo o troço rodoviário.

A rua corta o centro de Lower Bergamo e, além de lojas onde você pode fazer compras, é repleta de lugares onde você pode saborear pratos típicos e desfrutar de um aperitivo enquanto admira belas vistas da cidade, ou repleta de edifícios antigos e elegantes.

7. Piazza Matteotti

Se a peça central da Cidade Alta é a Piazza Vecchia, sua contraparte na Baixa Bergamo é a Piazza Matteotti, a área mais moderna e “mundana” da cidade, por assim dizer. Não faltam atrações culturais nesta área da cidade; no entanto, a Cidade Baixa é a outra ” metade da maçã “, responsável pela vida noturna e pelas compras . A Piazza Matteotti configura-se, portanto, como um ponto de encontro para os jovens de Bergamo, mas também como um ponto de referência para famílias e turistas. Seu perímetro oferece inúmeras atrações para admirar de boca aberta, muitas das quais dedicadas ao famoso compositor Gaetano Donizetti , uma verdadeira “estrela” da cidade.

8. Sentierone

É o chamado ” triângulo comercial de Bérgamo “, que consiste na via XX Settembre, Via Sant’Alessandro e Via Sant’Orsola. O ponto de partida do que foi o principal acesso à cidade, e que hoje se encontra ao longo da Viale Vittorio Emanuele que o leva diretamente à Cidade Alta, é simbolizado pela Porta Nuova. Facilmente distinguível porque se caracteriza pelos Propilei: duas colunatas neoclássicas que uma vez abrigou os guardas, que cobravam o “dazio” a “taxa” de acesso à cidade.

Deixando o Propilei para trás, você pode cruzar o Sentierone. Aqui você pode encontrar o Centro Piacentiniano, o Teatro Gaetano Donizetti e vários monumentos. A área é muito sugestiva durante o período de Natal. Se você visitar Bergamo em dezembro, notará a presença de muitas crianças bem em frente à igreja de Santa Lúcia para entregar a carta.

Dica:

Faça uma pausa na Balzer : depois das inúmeras visitas, e entre uma compra e outra, faça uma pausa para um café na Balzer, uma pastelaria histórica e verdadeira instituição da cidade.

9. Jardins da Rocca

Atravessando a via Rocca, subindo a colina, chega-se ao Colle di Santa Eufemia, dominado pela Rocca , uma fortaleza do século XIV que foi várias vezes modificada e enriquecida com defesas. No espaço estreito da colina foi demolido e construído várias vezes e os restos da primeira cidade estão no subsolo. Cada vez que ocorre uma escavação um tanto grande, surgem vestígios de Bergamo da época de Júlio César ou Augusto. E foi justamente por ocasião de uma dessas escavações que também foram identificados os alicerces de cabanas da Idade do Ferro, primeiro indício de povoamento no morro de Bergamo.

10. Academia Carrara

A Academia Carrara é uma escola e galeria de arte de Bergamo, que leva o nome do colecionador Conde Giacomo Carrara, que a criou, deixando um rico legado a Bergamo. Foi fundado em 1794 e é uma das instituições artísticas mais importantes da cidade . Está localizado em Bergamo Bassa, em uma área rica em história, comércio e sociabilidade.

Ele reúne 1.793 pinturas das escolas veneziana, lombarda e toscana desde o Renascimento até o final de 1800. Alguns nomes podem fazer justiça a esta magnífica coleção: Mantegna, Pinturicchio, Ghirlandaio, Bellini, Raffaello, Tiziano, Rubens, Tiepolo, Hayez e muitos outros. Entre as obras-primas devemos lembrar a Madona com o Menino de Mantegna e a de Ticiano, o San Sebastiano de Rafael, A memória de uma dor de Pellizza da Volpedo. Mas toda a coleção de pinturas merece várias horas para ser visitada, juntamente com esculturas com obras de Bernini e gravuras com obras de Mantegna, Dürer, Piranesi e Canaletto.

Atenção: Poupe na visita conjunta : se já visitou o GAMeC (e apresenta o seu bilhete), a entrada custa € 8,00. Por outro lado, se você visitar o GAMeC após o museu, a entrada no museu custa € 4,00.

11. Museu de Arte Moderna – GAMeC

Um estilo artístico completamente diferente, no entanto, no GAMeC, a Galeria de Arte Moderna e Contemporânea que fica em frente à Academia Carrara. O museu ideal para os fãs da arte contemporânea . Está localizado dentro de um complexo que data de 1400, originalmente usado como mosteiro.

Num ambiente de cerca de 1.500 metros quadrados, a arte contemporânea está presente em todas as suas formas, com exposições coletivas de artistas internacionais e exposições pessoais temporárias. Dentre as exposições permanentes, podemos citar as coleções Manzù, Spajani e Stucchi, com obras abstratas de Atanásio Soldati, Luigi Veronesi e Alberto Magnelli. Já a Coleção Spajani contém pinturas italianas do século XX, enquanto a Coleção Manzú, também do século XX, foi doada por um escultor homônomo, de Bérgamo.

O GAMeC não é um museu por si só, mas se reconhece mais como um espaço multifacetado para dar vida aos eventos e atividades de um rico calendário desenvolvido para atender diferentes públicos, por faixa etária e interesses. Na base das atividades promovidas pelo GAMeC, encontramos a experimentação de linguagens contemporâneas e a multidisciplinaridade.

12. Outros locais interessantes:

  • Museu Cívico de Ciências Naturais “E. Caffi”: está especialmente pensado para os mais pequenos, onde é possível viver experiências interactivas e sensoriais no verdadeiro sentido literal do termo, tocando todos os artefactos presentes na estrutura: desde os peluches aos vários fósseis de diferentes espécies presentes no interior do museu.
  • Casa-museu Donizetti: a cidade de Bérgamo foi o berço do famoso compositor Gaetano Donizetti , financiado pela comunidade lombarda com monumentos e museus que celebram a cada dia sua inspiração e talento.
  • Jardim Botânico Lorenzo Rota: Em 2.400 metros quadrados, o Jardim acolhe mais de 1.200 tipos de plantas, a maioria dos quais está localizada em micro-habitats que reproduzem ou evocam ambientes naturais.

 🏷 Guia Prático

Como irIngressos e HorárioMAPA

De Milão a Bérgamo – 51,7 km via A4/E64

Como ir de Milão a Bérgamo? Existem 3 formas para ir de Milão a Bérgamo:

  • De Trem – É a forma mais barata, embarcando na estação de trem Milano Centrale, ou da Milano Porta Garibaldi – o trajeto de 43 km dura cerca de 51 minutos.
  • De carro – É a forma mais rápida – o trajeto é de 48,7 km e dura 37 minutos.
  • De ônibus – Pela Estação Central de Milão – trajeto de 49,5km dura 1 hora.

  • Basílica de Santa Maria Maggiore – Horário de funcionamento: de novembro a março de segunda a sábado das 9h às 12h30 e das 14h30 às 17h, dom das 9h às 13h e das 15h às 18h. De abril a outubro, de segunda a sábado, das 9h às 12h30 e das 14h30 às 18h, de dom das 9h às 13h e das 15h às 18h – Preço do ingresso: gratuito
  • Capela Colleoni: Horário: de março a outubro ter-dom-dom 9h-12h30 e 14h-18h, de novembro a fevereiro ter-dom-9h-12h30 e 14h-16h30 , Segunda-feira: fechado – Preço do ingresso: grátis
  • Duomo: Horário: Seg-Sex, das 7h30 às 12h e das 15h às 18h30. Sáb-dom e feriados das 07: 00h às 18: 30h – Preço do bilhete: gratuito
  • Palazzo della Ragione: Horário: Quarta-Seg 11: 00-18: 00, fechado Terça – Custo do ingresso: gratuito se não houver exposições configuradas, caso contrário o preço varia de acordo com a exposição realizada
  • Palazzo del Podestà: Horário: de novembro a março de terça a sexta, das 9h30 às 13h e das 14h30 às 18h, aos sábados e feriados das 9h30 às 18h. De abril a outubro de terça a sexta-feira das 10h00 às 18h00, sábados e feriados das 10h00 às 20h00. Fechado à segunda, exceto em agosto – Custo do bilhete: € 5,00
  • Museu Cívico: Horário de funcionamento: terça a sexta, das 9h às 12h30 e das 14h30 às 17h30, sáb-dom e feriados das 10h às 18h – Custo do bilhete: uma vez € 3,00. Inclui entrada para o Museu Arqueológico
  • Accademia Carrara: Horário: Sex, Sáb e Dom 10: 00-18: 00 – Preço do ingresso: € 10,00 integral, € 8,00 reduzido
  • Gamec: Horário: Seg, Qua e Qui, das 16h às 19h, Sex, Sáb e Dom das 10h às 19h, Terça fechado – Preço do bilhete: € 10,00 completo

Sobre Deyse RibeiroSou Deyse Ribeiro, nasci em Minas Gerais, e vivo na Itália há 14 anos. Sou especialista em turismo na Itália, onde adquiri experiência atuando desde 2011 como guia de turismo, criadora de conteúdo sobre turismo e empresária no ramo. Abri minha primeira empresa em 2017, e ofereço serviços, tours, transfers e experiências únicas na Itália, através do Portal TourNaItália.com - uma boutique de experiências diferente de tudo o que você já viu!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.