Portal Tour na Itália: turismo, cultura, tours, serviços e experiências!

Os romanos foram construtores prodigiosos e engenheiros civis especializados, e sua próspera civilização produziu avanços em tecnologia, cultura e arquitetura que permaneceram inigualáveis ​​por séculos. Vamos conhecer as 10 inovações da Roma Antiga.

Ao longo da história, as invenções definiram civilizações e mudaram a maneira como vivemos nossas vidas. E a Roma Antiga é, sem dúvida, uma das civilizações mais conhecidas por invenções que mudaram o curso do desenvolvimento humano. No entanto, em muitos casos, a invenção romana foi mais precisamente inovação, trazendo mudanças para a tecnologia existente.

Foto: Wikipedia Commons – Di DonZaucker – Opera propria, CC BY-SA 4.0,

1. Aquedutos

Os romanos desfrutavam de muitas comodidades durante o dia, incluindo banheiros públicos, sistemas de esgoto subterrâneos, fontes e banhos públicos ornamentados. Nenhuma dessas inovações teriam sido possível sem o aqueduto romano.

Desenvolvidos pela primeira vez por volta de 312 aC, essas maravilhas da engenharia usavam a gravidade para transportar água ao longo de dutos de pedra, chumbo e concreto até o centro das cidades. Os aquedutos libertaram as cidades romanas da dependência dos suprimentos de água próximos e se mostraram inestimáveis ​​na promoção da saúde pública e do saneamento.

Embora os romanos não tenham inventado o aqueduto – canais primitivos para irrigação e transporte de água já existiam no Egito, na Assíria e na Babilônia – eles usaram seu domínio da engenharia civil para aperfeiçoar o processo.

Centenas de aquedutos surgiram por todo o império, alguns dos quais transportavam água por até 60 milhas. Talvez o mais impressionante de tudo, os aquedutos romanos foram tão bem construídos que alguns ainda estão em uso até hoje. A famosa Fontana di Trevi de Roma, por exemplo, é fornecida por uma versão restaurada do Aqua Virgo, um dos 11 aquedutos da Roma antiga.

Curiosidades sobre roma - Panteão
Panteão

Leia os textos:

2. Concreto

Muitas estruturas romanas antigas como o Panteão, o Coliseu e o Fórum Romano ainda estão de pé graças ao desenvolvimento de cimento e concreto romanos. Os romanos começaram a construir com concreto há mais de 2.100 anos e usaram-no em toda a bacia do Mediterrâneo em tudo, desde aquedutos e edifícios a pontes e monumentos.

O concreto romano era consideravelmente mais fraco do que sua contraparte moderna, mas provou ser extremamente durável graças à sua receita única, que usava cal apagada e uma cinza vulcânica conhecida como pozolana para criar uma pasta pegajosa. Combinado com rochas vulcânicas chamadas tufo, este cimento antigo formou um concreto que poderia efetivamente resistir à decomposição química. A pozolana ajudou o concreto romano a endurecer rapidamente, mesmo quando submerso na água do mar, permitindo a construção de elaborados banhos, cais e portos.

acta diurna

3. Jornais

Os romanos eram conhecidos por contribuir para o discurso público por meio do uso de textos oficiais que detalhavam questões militares, legais e civis. Conhecidos como Acta Diurna, ou “atos diários”, esses primeiros jornais foram escritos em metal ou pedra e, em seguida, publicados em áreas de tráfego intenso, como o Fórum Romano.

Acredita-se que o Acta apareceu pela primeira vez por volta de 131 a.C. e normalmente incluía detalhes de vitórias militares romanas, listas de jogos e combates de gladiadores, avisos de nascimento e morte e até histórias de interesse humano.

Houve também uma Acta Senatus, que detalhou os procedimentos do Senado romano. Essas foram tradicionalmente ocultadas do público até 59 aC, quando Júlio César ordenou sua publicação como parte das muitas reformas populistas que instituiu durante seu primeiro consulado.

4. Subsídio

A Roma Antiga foi a fonte de muitos programas governamentais modernos, incluindo medidas que subsidiavam alimentos, educação e outras despesas para os necessitados. Esses programas de direitos datam de 122 a.C., quando Gaius Gracchus instituiu a lex frumentaria, uma lei que ordenava ao governo de Roma que fornecesse aos seus cidadãos lotes de grãos baratos.

Esta forma inicial de subsídio continuou sob Trajano, que implementou um programa conhecido como “alimenta” para ajudar a alimentar, vestir e educar órfãos e crianças pobres. Outros itens, incluindo azeite, vinho, pão e carne de porco foram eventualmente adicionados à lista de produtos com preços controlados, que podem ter sido coletados com fichas chamadas “tesselas”. Essas generosas doações ajudaram os imperadores romanos a ganhar o favor do público, mas alguns historiadores argumentaram que também contribuíram para o declínio econômico de Roma.

Foto: Di London, British Library – http://www.csntm.org/Manuscript/View/GA_01, CC BY-SA 4.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=91514733

5. Livros encadernados

Durante a maior parte da história humana, a literatura assumiu a forma de placas de argila pesadas ou pergaminhos. Os romanos simplificaram o meio criando o Codex, uma pilha de páginas encadernadas que é reconhecida como a primeira encarnação do livro. Os primeiros códices eram feitos de tábuas de cera encadernadas, mas depois foram substituídas por pergaminhos de pele de animal que mais claramente se assemelhavam a páginas.

Historiadores antigos observam que Júlio César criou uma versão inicial de um códice empilhando páginas de papiro para formar um caderno primitivo, mas os códices encadernados não se tornaram populares em Roma até o primeiro século. Os primeiros cristãos foram alguns dos primeiros a adotar a nova tecnologia, usando-a extensivamente para produzir cópias da Bíblia.

Via Apia

6. Estradas e rodovias

Em seu auge, o Império Romano abrangia quase 2,7 milhões de quilômetros quadrados e incluía a maior parte do sul da Europa. Para garantir uma administração eficaz desse domínio extenso, os romanos construíram o sistema de estradas mais sofisticado que o mundo antigo já viu. Essas estradas romanas – muitas das quais ainda estão em uso hoje – foram construídas com uma combinação de terra, cascalho e tijolos feitos de granito ou lava vulcânica endurecida.

Os engenheiros romanos seguiram padrões rígidos ao projetar suas rodovias, criando estradas retas em forma de flecha que se curvavam para permitir a drenagem da água. Os romanos construíram mais de 800.000 quilômetros de estradas em 200 d.C, principalmente a serviço da conquista militar.

As rodovias permitiam que a legião romana viajasse até 40 quilômetros por dia. Essas estradas costumavam ser administradas da mesma maneira que as rodovias modernas. Marcadores e placas de milhagem informavam os viajantes sobre a distância até seu destino, enquanto complementos especiais de soldados agiam como uma espécie de patrulha rodoviária.

7. Arcos Romanos

Os arcos existem há cerca de 4.000 anos, mas os antigos romanos foram os primeiros a aproveitar efetivamente seu poder na construção de pontes, monumentos e edifícios. O projeto engenhoso do arco permitiu que o peso dos edifícios fosse uniformemente distribuído ao longo de vários suportes, evitando que estruturas romanas maciças, como o Coliseu, desmoronassem com seu próprio peso.

Os engenheiros romanos melhoraram os arcos achatando sua forma para criar o que é conhecido como arco segmentar e repetindo-os em vários intervalos para construir suportes mais fortes que poderiam abranger grandes lacunas quando usados ​​em pontes e aquedutos. Junto com colunas, cúpulas e tetos abobadados, o arco tornou-se uma das características definidoras do estilo arquitetônico romano.

8. O calendário juliano

O calendário gregoriano moderno é modelado muito de perto em uma versão romana que data de mais de 2.000 anos. Os primeiros calendários romanos provavelmente foram copiados de modelos gregos que operavam em torno do ciclo lunar. Mas como os romanos consideravam os números pares azarados, eles eventualmente alteraram seu calendário para garantir que cada mês tivesse um número ímpar de dias.

Essa prática continuou até 46 AC, quando Júlio César e o astrônomo Sosigenes instituíram o sistema Juliano para alinhar o calendário com o ano solar. César aumentou o número de dias em um ano de 355 para o agora familiar 365 e acabou incluindo os 12 meses como os conhecemos hoje. O calendário juliano era quase perfeito, mas calculou mal o ano solar em 11 minutos. Esses poucos minutos acabaram por atrasar o calendário por vários dias.

Foto: Di University of Victoria Libraries from Victoria, Canada – Corpus Iuris Civilis, Fragment, No restrictions, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=43854989

9. As Doze Tábuas e o Corpus Juris Civilis

Intimação, habeas corpus, pro bono, declaração juramentada – todos esses termos derivam do sistema jurídico romano, que dominou a lei e o governo ocidentais por séculos. A base para o direito romano primitivo veio das Doze Tábuas, um código que constituiu uma parte essencial da constituição durante a era republicana. Adotadas pela primeira vez por volta de 450 a.C., as Doze Tábuas detalhavam as leis sobre propriedade, religião e divórcio e listavam punições para tudo, desde roubo a magia negra.

Ainda mais influente do que as Doze Tábuas foi o Corpus Juris Civilis, uma tentativa ambiciosa de sintetizar a história do direito de Roma em um único documento. Estabelecido pelo imperador bizantino Justiniano entre 529 e 535 d.C., o Corpus Juris incluía conceitos jurídicos modernos, como a noção de que o acusado é inocente até que se prove a culpa. Após a queda do Império Romano, tornou-se a base para muitos dos sistemas jurídicos do mundo. Junto com a lei consuetudinária inglesa e a lei da sharia, a lei romana continua extremamente influente e ainda se reflete nas leis civis de várias nações europeias, bem como no estado americano da Louisiana.

Essa era minha cara quando eu tinha que estudar direito romano no Mestrado. Escrevendo este texto, me lembrei desses momentos …… e quanto eu dei pouca importância na época.

Foto: Di JoJan – own photo made in the museum, CC BY-SA 4.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=3882548

10. Cirurgia no campo de batalha

Os romanos inventaram muitos instrumentos cirúrgicos e foram os pioneiros no uso da cesariana, mas suas contribuições mais valiosas para a medicina vieram no campo de batalha.

Sob a liderança de Augusto, eles estabeleceram um corpo médico militar que foi uma das primeiras unidades dedicadas à cirurgia de campo. Esses médicos especialmente treinados salvaram inúmeras vidas por meio do uso de inovações médicas romanas, como torniquetes hemostáticos e pinças cirúrgicas arteriais para conter a perda de sangue. Os médicos de campo romanos também realizaram exames físicos em novos recrutas e ajudaram a conter a propagação da doença, supervisionando o saneamento nos campos militares. Eles eram até conhecidos por desinfetar instrumentos em água quente antes do uso, sendo pioneiros em uma forma de cirurgia anti-séptica que não foi totalmente adotada até o século XIX.

Incrível conhecer e reconhecer todas essas inovações romanas e imaginar o quanto elas mudaram nossa vida hoje não é?

Sobre Deyse RibeiroSou Deyse Ribeiro, nasci em Minas Gerais, e vivo na Itália há 14 anos. Sou especialista em turismo na Itália, onde adquiri experiência atuando desde 2011 como guia de turismo, criadora de conteúdo sobre turismo e empresária no ramo. Abri minha primeira empresa em 2017, e ofereço serviços, tours, transfers e experiências únicas na Itália, através do Portal TourNaItália.com - uma boutique de experiências diferente de tudo o que você já viu!

2 comentários em “10 inovações da Roma Antiga”

  1. Silvestre Lima

    Parabéns pelo seu trabalho, divulgando a cultura romana. Esse trabalho é fundamental, pois contribui para que o conhecimento do mundo antigo não seja esquecido.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *