Portal Tour na Itália: turismo, cultura, tours, serviços e experiências!

Festas da Semana Santa na Itália

Conheça as festas da Semana Santa na Itália, e se organize para viajar no período desse importante feriado italiano.

A Páscoa é uma das celebrações mais importantes para muitos povos e no caso da Itália, com sua cultura profundamente ligada ao Catolicismo, não poderia ser diferente. Aqui, durante a Semana Santa, acontecem uma série de ritos e tradições que existem há séculos e que certamente podem enriquecer ainda mais a sua viagem.

Você descobrirá que a Páscoa afeta a abertura de alguns museus e a disponibilidade de transporte público (o serviço geralmente é reduzido). Museu Vaticano, Coliseu e a Basilica de São Pedro, assim como outras igrejas na Itália possuem fechamento em alguma data da semana. Comer fora e passeios básicos geralmente não são afetados.

A Itália vê celebrações para a páscoa durante 2 dias principais; Domingo de Páscoa e segunda de Páscoa (pasquetta). O Domingo de Páscoa costuma ser um dia de almoço com amigos e familiares e muitos restaurantes terão menus especiais para especialidades de Páscoa para a ocasião.

A segunda-feira de Páscoa (pasquetta) é tradicionalmente um dia de escapadelas fora da cidade, um dia de piquenique com os amigos. Isso é algo que você deve se lembrar se estiver planejando dirigir hoje: o tráfego dentro e fora das principais cidades será intenso e os lagos e as praias estarão cheios.

Assim, se você for passar a Semana Santa na Itália, aqui vão algumas dicas do que fazer em diferentes regiões, de uma ponta à outra do país, e dicas de como organizar sua viagem.

As principais celebrações da Semana Santa na Itália

1. Florença – TOSCANA: a Cerimônia da “Explosão do Carro”

No Domingo de Páscoa, em Florença, acontece a  “Cerimonia dello Scoppio del Carro” e trata-se de um evento folclórico que remonta ao século XI. O carro, chamado “Brindellone”, é puxado por bois enfeitados com flores e levado em procissão, junto com o Fogo Sagrado, até a Piazza Duomo. Um fio de cobre é estendido entre o carro e ao altar maior, e quando a cerimônia religiosa chega ao fim, é aceso o estopim que provoca a explosão do carro repleto de fogos de artifício.

Semana Santa na Itália: Florença, Toscana
A Explosão do Carro. Foto: lanazione.it

Saiba todos os detalhes da cerimônia da Explosão do Carro, no Passeios na Toscana!

2. Roma – LAZIO: a Via-Crucis no Coliseu, e a procissão mais antiga

Todos os anos milhares de fiéis assistem a uma das Vias Crucis mais incríveis do mundo, que acontece na noite da Sexta-Feira da Paixão.

A cruz é carregada pelos 14 passos da Via-Crucis por famílias italianas, refugiados, doentes. A cerimônia inicia por volta das 21h do dia 16.04 e é transmitida pelo site do Vaticano. No final da Via-Crucis, o papa fala aos fiéis e dá a Benção Apostólica.

Diz-se que é a mais antiga procissão da Sexta-feira Santa em Itália, a que se realiza nesta localidade da província de Viterbo . De extrema sugestão, tão profundamente sentida pelos seus habitantes, a Processione del Cristo Morto de Orte vê as Confrarias seguindo o caixão de Jesus pelas ruas da vila. Os irmãos seguem a procissão vestidos com roupas brancas, encapuzados, descalços e com correntes nos pés. A cidade inteira apaga as luzes, silencia e segue, iluminada por tochas, todo o caminho, numa emocionante e emocionante viagem de reencenação.

Na aldeia etrusca de Tarquinia, no Domingo de Páscoa assistimos à passagem de uma estátua de madeira de Cristo transportada pelas ruas. A preceder, outra procissão, composta por nove cruzes com uma coroa de louros no topo, sinal do milagre da Ressurreição. É um dos eventos mais esperados da cidade, além de uma tradição que vive entre seus habitantes há mais de dois séculos.

3. UMBRIA: as tradições de Assis

Semana Santa  em  Assis  é dedicada aos rituais da Páscoa e consiste na celebração dos rituais religiosos tradicionais: na  Quinta-feira Santa  ( 14 de abril de 2022 ) na Catedral de São Rufino é celebrada a “ Deposição do Crucifixo”  , também conhecida como “Scavigliazione ”, o momento tradicional inspirado em uma antiga lauda (importante canção sagrada em língua vernácula) sobre a Paixão, definida por isso como “ Lauda da Scavigliazione ”. Na  manhã de sexta  -feira santa ( 15 de abril de 2022) o Cristo Morto é transferido da Catedral de São Rufino (lugar do Padroeiro de Assis) para a Catedral papal de São Francisco, e à tarde são celebradas as “Três horas de agonia”. À noite, Assis é iluminada pelas tochas da Procissão das Irmandades da qual participam todas as irmandades que por toda a cidade participam a partir da Igreja de São Francisco para trazer de volta à catedral o Cristo Morto. No  domingo de Páscoa ( 17 de abril de 2022 ), dia da  Ressurreição de Cristo,  os habitantes da Úmbria comem o tradicional café da manhã de Páscoa: com o capocollo, ovos cozidos, torcolo, chocolate, bolo de queijo de Páscoa. 

4. ABRUZZO: Sexta-Feira Santa em Chieti e domingo em Sulmona

Na Sexta-Feira da Paixão, em Chieti, também acontece a procissão do Cristo Morto, considerada a mais antiga da Itália, uma vez que remonta ao ano 842. Dela participam centenas de figurantes e 13 congregações e é uma procissão tão grande, que também conta com 150 cantores e tantos outros músicos que vão acompanhando a procissão dos encapuçados.

Uma das celebrações da Páscoa mais sentidas é a que acontece nesta cidade de Abruzzo aos domingos. Sulmona celebra o fim da Semana Santa com um evento particular, que leva o nome de ‘La Madonna che scappa’. Na manhã das celebrações, a igreja de San Filippo abre suas portas, e uma estátua de Nossa Senhora coberta com um véu preto e colocada sobre uma liteira. A partir deste momento, uma quadrilha começa a correr, carregando a Madona pelas ruas da cidade, acompanhada pelo vôo de 12 pombas e os aplausos dos espectadores.

Semana Santa na Itália: Chieti
Foto: Pino Gianni (paesaggidabruzzo.com)

5. CAMPANIA: a Sexta-Feira Santa em Sorrento, Procida e Ischia

As duas procissões da Sexta-Feira Santa em Sorrento são famosas no mundo inteiro e se aproximam muito àquelas de Sevilha, tanto pela solenidade quanto pela capacidade de envolvimento emotivo que suscitam. As procissões nasceram no século XVI como rituais de penitência que comportavam também a autoflagelação, mas com o tempo acabaram se desenvolvendo e se enriquecendo, sobretudo no que diz respeito ao aspecto coreográfico.

A chamada Procissão Branca, percorre as ruas do centro histórico de Sorrento das  3 às 6h da manhã da Sexta-Feira Santa e representa, segundo a tradição popular, a peregrinação da Virgem Maria em busca do filho, traído, preso e condenado à morte.

Semana Santa na Itália: Sorrento
A procissão “Branca”. Foto: WikiCommons

Já no fim da noite da Sexta, acontece a procissão “Negra”, que nada mais é que o transporte do Cristo Morto, em silêncio e no escuro. Uma emoção única que exalta os mais autênticos valores de fé e as antigas tradições passadas de geração em geração.

Em Procida, a Sexta-feira Santa é marcada pela procissão dos ‘mistérios’, os carros alegóricos que mostram representações da vida de Jesus. Todo o desfile é acompanhado pelo som de trombetas e tambores, que tocam a chamada ‘Chiammata’. Ischia tem uma forma particular, porém, de homenagear o aniversário. Trata-se do Actus Tragicus, espetáculo teatral sagrado itinerante, proposto inicialmente por São Francisco de Assis. Os atores caminham fantasiados pelas ruas do povoado de Forio, na costa oeste da ilha, até encenar a representação da Paixão na Piazza Colombo.

6. PUGLIA: a Semana Santa em Taranto

É inesquecível e profunda a celebração da Quinta e da Sexta-Feira Santas em Taranto, com suas três procissões muito, muito lentas.

A primeira procissão é chamada Processione dei Perdùne, como eram chamados os peregrinos que iam a  Roma em ocasião do Jubileu: a cabeça coberta com um longo capuz branco e um chapéu preto, desfilando descalços da tarde da Quinta-Feira Santa até a madrugada. Depois dela, parte a segunda procissão, aberta por uma pessoa tocando a troccola, uma tábua de madeira com dentes de ferro. Para vocês terem uma ideia, a procissão é tão lenta que percorrem 4km em mais de 10 horas. Por fim, na tarde da Sexta-Feira Santa, acontece a procissão dos Mistérios, com estátuas e o andor do Cristo Morto. A procissão dos Mistérios dura até a madrugada do Sábado. No total, são mais de 40 horas de procissão, uma após a outra.

Semana Santa na Itália: Taranto, Puglia
Foto: WikiCommons

7. SARDEGNA: a Semana Santa de Alghero

A história da Semana Santa de Alghero é muito antiga, nascida no século XVII, quando Alghero era ainda uma colônia espanhola e quando, justamente naqueles anos, o mar “trouxe” para a cidade a estátua do Cristo de Alicante (o Santcristus). Considerado um presente de Deus vindo do mar, o Santcristus tornou-se um objeto de adoração popular e elemento principal dos rituais da Semana Santa. A chamada Setmana Santa de l’Alguer (assim mesmo, em catalão) mantém ainda forte as tradições da Catalunha: os fiéis percorrem as ruas da cidade junto com os participantes das confrarias (inclusive algumas provenientes da Espanha), alternando momentos de silêncio e de sons das orações realizadas também em catalão.

Na cidade de Iglesias, na Sardenha, representando os muitos eventos da Semana Santa na ilha. Aqui ainda encontramos um cenário cerimonial de estilo espanhol, e não poderia ser de outra forma, dada a longa dominação na ilha dos ibéricos. A Terça-feira Santa começa com a procissão dos mistérios, enquanto na quinta e sexta-feira é a vez das baballottis, figuras encapuzadas brancas, encherem as ruas, ao som contínuo das matraccas e do rufar dos tambores. Até a noite, quando a cena do funeral de Jesus cessa todos os sons para deixar um silêncio envolvente e extremamente comovente de meditação.

Semana Santa na Itália: Alghero
O Santcristus carregado por uma das confrarias. Foto: Comune di Alghero

8. LOMBARDIA: os “Pasquali” de Bormio

A tradição de Bormio é aquela representada pelos Pasquali. São liteiras nas quais são colocadas cenas religiosas. Estes são carregados pelas ruas da cidade, seguidos por mulheres que trazem consigo artesanato e flores. Os habitantes participam das festividades vestidos com trajes tradicionais, enquanto juízes cuidadosos avaliam a beleza dos pascais para eleger um vencedor. A mestria com que estes são construídos, mas também o respeito pela tradição e o tema religioso são aspectos que contribuem para que um dos Pasquali em ‘competição’ triunfe ou não.

9. SICILIA: tradição em Trapani, Pizzi, Caltanissetta e a Real Maestranza

Ainda mais enraizada no tempo é a procissão da Páscoa que acontece em Trapani, que é respeitada há cerca de quatrocentos anos. Um evento de origem espanhola e uma das festas mais longas a partir da Sexta-feira Santa. De fato, a Procissão dos Mistérios (Processione dei Misteri) dura vinte e quatro horas, até o sábado anterior à Páscoa, em que os carros alegóricos com cenas da Paixão se sucedem pelas ruas da cidade siciliana, proporcionando uma festa espetacular que envolve cidadãos e turistas.

Outro importante compromisso siciliano durante a Semana Santa é o de Caltanissetta, no interior da ilha. Do Domingo de Ramos ao Domingo de Páscoa, a cidade transforma-se num teatro ao ar livre, com as segundas e terças-feiras dedicadas a cenas e espetáculos teatrais, e a Quarta-feira Santa acontece Mercoledì Santo alla Real Maestranza: uma procissão de 400 pessoas que é uma reconstituição histórica da Maestranza, uma guarda da cidade criada em 1554 para resistir às invasões sarracenas.

Ballo dei diavoli Sicilia

Em Prizzi, na província de Palermo, de domingo, 10 de abril, até domingo de Páscoa, 17 de abril de 2022, a Semana Santa e a Páscoa são celebradas na Dança dos Demônios (U Ballu di Diavuli) , uma celebração meio profana e meio sagrada. Semana Santa começa no Domingo de Ramos (10 de abril) com a tradicional bênção dos Ramos e uma procissão que comemora a chegada de Jesus Cristo a Jerusalém. Na Quinta-feira Santa, reencenação da Última Ceia. Na Sexta-feira Santa (15 de abril), a procissão da Via Sacra até o Calvário, onde é reencenada a Crucificação, começa às 12h. Das 13h às 21h, adoração a Cristo na Cruz. Às 19h30, inicia-se uma segunda procissão em direção ao Calvário, onde se realiza a Deposição de Cristo. A Vigília Pascal acontece na noite de sábado, 16 de abril. Ndomingo de Páscoa (este ano em 17 de abril de 2022) a  Dança dos Demônios é celebrada com os Demônios  e  a Morte vagando  pelas ruas. A morte, mascarada e vestida com mantos amarelos, com uma besta na mão, caminha pela cidade em busca de almas para levar ao inferno. Ao serem capturadas, as vítimas são trancadas em uma casa e só podem ser libertadas mediante o pagamento de um  obolo , uma pequena quantia em dinheiro. Os Demônios usam macacão vermelho e uma grande máscara. Junto com a Morte, eles passam o dia todo brincando com as pessoas e as trancando.

10. CALABRIA: Reggio Calabria, Vibo Valentia e Bagnara Calabra 

Muito original é a representação conhecida como a affruntata, que acontece no domingo de Páscoa em muitos municípios das províncias de Reggio Calabria e Vibo Valentia. O termo significa ‘o encontro’, e a referência é a da Madona com seu filho ressuscitado. Bagnara Calabra é um dos municípios mais conhecidos que encenam esta tradição, em que três estátuas, uma da Madonna, uma de San Giovanni e uma de Cristo seguem diferentes caminhos pela cidade, para depois se encontrarem em determinados pontos. Esses encontros representam momentos da história bíblica, como aquele entre Maria e João, quando se dá a notícia da ressurreição de Jesus, enfim, o ponto culminante é o encontro da mãe com o filho.

Gesu porta la croce by Augusto Rosati7
????????????????????????????????????

11. MARCHE: a turba de Cantiano

Turba é uma representação sagrada que acontece na Sexta-feira Santa (15 de abril de 2022) em  Cantiano, município da província de Pesaro-Urbino. A Turba em Cantiano tem origem no movimento popular em meados do século XIII entre a  região de Marche e a região da Úmbria e apoiada pela ordem religiosa mendicante (especialmente ligada à ordem franciscana). Cantiano foi uma das aldeias que acolheu a “turba” dos penitentes, que percorriam a aldeia açoitando-se e implorando paz, acompanhados pelos cantos do “Miserere”.

Sobre Deyse RibeiroSou Deyse Ribeiro, nasci em Minas Gerais, e vivo na Itália há 14 anos. Sou especialista em turismo na Itália, onde adquiri experiência atuando desde 2011 como guia de turismo, criadora de conteúdo sobre turismo e empresária no ramo. Abri minha primeira empresa em 2017, e ofereço serviços, tours, transfers e experiências únicas na Itália, através do Portal TourNaItália.com - uma boutique de experiências diferente de tudo o que você já viu!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.