Portal Tour na Itália: turismo, cultura, tours, serviços e experiências!

Gorizia, a cidade de fronteira entre Itália e Eslovênia

Gorizia é uma cidade de fronteira, entre a Itália e a Eslovênia e que fica na região italiana do Friuli Venezia Giulia. Os numerosos monumentos, a mistura característica dos mundos latinos, eslavos e germânicos, a beleza dos parques, numerosos no centro e nas áreas vizinhas, a forma particular da cidade dividida em dois (Gorizia e Nova Gorica, além da fronteira com o Eslovênia), são todos os fatores que contribuem para tornar Gorizia uma cidade única a ser descoberta.

Introdução:

Você percebe que ela é uma cidade entre dois países ao andar pelas ruas e ao ouvir os locais falando em esloveno e em italiano, já que são na maioria bilíngues ou têm famílias de descendência eslovena. Como todas as cidades fronteiriças, Goeizia tem sido palco de muitos eventos históricos e fluxos de povos de estados vizinhos. A cidade tem cerca de 40.000 habitantes, onde três idiomas são falados: italiano, esloveno, friulano.

Habitada primeiro pelos Condes de Gorizia até 1500, depois pela dinastia dos Habsburgos que o elevou ao Condado até 1918, é no entanto o período da Primeira Guerra Mundial que mais o caracterizou. A área foi uma das principais frentes do conflito e as montanhas da região ainda preservam muitas trincheiras e fortificações militares, um sinal tangível de uma guerra travada nesta terra que deixou um sinal profundo.

O que ver em Gorizia

As atrações turísticas de Gorizia são os edifícios religiosos e civis, praças, museus, os quais oferecem a cada passo uma perspectiva sempre nova  sobre o passado e do presente da cidade. Para apreciar a medieval Gorizia, basta partir ao longo do centro histórico em direção a um dos castelos mais fascinantes da região, especialmente por sua posição panorâmica. Uma colina entre dois países: Itália e Eslovênia.

Portanto, monumento mais famoso da cidade é certamente o Castelo, do século XI construído como uma fortificação defensiva, em virtude de sua posição particular. Muitos foram os proprietários, dos Condes de Gorizia a Sereníssima de Veneza,  até os Habsburgos, e foram seriamente danificadas pelos bombardeamentos da Primeira Guerra Mundial e depois reconstruídas em relação às suas origens medievais.

A aparência atual do castelo é o resultado de uma grande restauração que terminou em 1937, após a qual o edifício voltou a ter seu aspecto do século XIV.

O interior é particularmente fascinante porque abriga o Museo del Medioevo Goriziano (info) com móveis e objetos originais. De seus baluartes você pode desfrutar de uma bela vista da cidade e respirar uma atmosfera tipicamente da Europa central.

Ao lado do Castelo fica uma pequena e sugestiva igreja gótica, a Chiesa di Santo Spirito, realizada em 1398.

Em Gorizia fica ainda um dos museus mais importantes dedicados à Primeira Guerra Mundial. O Museu da Grande Guerra está localizado no encantador Borgo Castello, no centro histórico da cidade, e faz parte do complexo dos Museus Provinciais que são: Museu da Guerra, o Museu da Moda e das Artes Aplicadas, a Coleção Arqueológica, a Coleção Etnográfica e a Galeria de Arte (Pinacoteca) (info).

O Museu da Grande Guerra está dividido em doze salas onde são exibidas várias documentações fotográficas, armas, medalhas e outros testemunhos de vida nas trincheiras, em Gorizia durante a Primeira Guerra Mundial e nas áreas circunvizinhas. A exposição abre com uma visão geral da Grande Guerra. Também digno de nota é a reconstrução de uma trincheira na escala 1:1: a trincheira pode ser percorrida, permitindo que os visitantes se identifiquem com as situações do tempo. O percurso também conta com espaços dedicados a Armando Diaz e à Brigada Alpina Julia.

O Museu da Moda e Artes Aplicadas apresenta uma coleção de acessórios e roupas que cobrem um período do século XVIII ao século XX; De considerável interesse é a seção dedicada ao processamento de seda e uma grande máquina de torção que remonta ao século XVIII.

A Coleção Arqueológica apresenta descobertas de Gorizia e áreas próximas: as exposições vão desde o final do Paleolítico até a Idade Média e ao Renascimento.

A Pinacoteca contém várias pinturas do século XVIII (incluindo Gianantonio Guardi) e uma coleção de retratos de Giuseppe Tominz.

Descendo de Borgo Castello chega-se à Piazza S. Antonio e você pode pegar a histórica Via Rastello, uma das mais antigas e características da cidade, onde você pode ver algumas lojas que ainda preservam seus sinais e aparência originais. Devo dizer que esta área é a que mais linda Gorizia, porque ainda tem um espírito íntimo e inalterado de uma pequena cidade fronteiriça.

Com uma pequena caminhada você chegar à praça onde se ergue a Igreja de Santo Inácio, em estilo barroco, embora não seja a catedral, na verdade, é o principal local de culto da cidade e pertence à ordem dos jesuítas.

A partir daqui, pode facilmente chegar Palazzo Attems, na Piazza De Amicis, um edifício histórico que contém uma rica coleção de arte e importantes pinturas, é a Pinacoteca (info) particularmente interessante porque abriga uma série de pinturas de 1700 veneziano e 1900.

No centro da praça também encontramos a Fontana de Netuno, datada de 1700, enquanto em frente à Igreja, há a Coluna de Santo Inácio. Também na praça você pode admirar a Casa Torriana, um edifício que também hospedou Casanova.

Atrás do Palazzo Attems encontramos o Gueto, com sua sinagoga, que abriga o Museu Didático da Pequena Jerusalém (info). Nesta área, a comunidade judaica de Gorizia foi estabelecida a partir de 1600.

É bastante curioso e interessante visitar a Estação Transalpina. Transalpina é uma linha secundária não eletrificada de via única ligando o Vale de Soča e os Alpes Julianos a Sežana e Jesenice, de onde segue para a Áustria. Durante vários anos, um programa de passeios com trens a vapor históricos foi criado para levar turistas de Gorizia ao Lago Bled.

 

Em frente ao imponente edifício da estação há uma grande praça embelezada com um mosaico feito pelo triestino Franco Vecchiet por ocasião da entrada da Eslovênia na União Europeia. O mosaico representa metaforicamente e poeticamente a explosão da pedra que marcou, até poucos anos atrás, a fronteira entre Gorizia e Nova Gorica. Este trabalho pretende testemunhar a integração europeia.

E foi colocado um “muro” simbólico onde ficava o antigo muro que dividia os 2 países durante a segunda guerra mundial, de um lado a Iugoslávia (hoje Eslovênia) e do outro Itália.

Ao norte de Gorizia você pode ver o Santuário de Oslávia, monumento aos mortos durante a Grande Guerra e do qual é possível ter uma vista panorâmica do Monte Sabotino.

Se em vez disso você quiser dar um passeio e uma área verde, você pode ir até o Parco di Piuma Isonzo, localizado a cinco minutos de carro do centro, em direção ao Monte Calvário. Uma área montanhosa deliciosa que é perfeita para uma excursão de bicicleta ou para um passeio pelo parque através de uma trilha educacional naturalista. Na entrada há uma escola de equitação e uma pousada, mas o bom é que há uma grande área para churrasco ou piquenique. Na primavera, é um destino muito popular para os moradores locais passarem o domingo ao ar livre.

Pronto para descobrir Gorizia?

🏷 Guia Prático

Como ir a Gorizia:

Gorizia é um importante destino turístico da região e está bem conectado a vários locais. Há uma estação ferroviária na cidade de onde chegam trens regulares de locais como Udine e Veneza, que ficam a apenas duas horas de distância da cidade. De Trieste, vários trens partem para Gorizia todos os dias, que fica a cerca de 45 minutos da cidade. Todos os trens que chegam da Eslovênia param na estação de Nova Gorica, que fica a dez minutos da fronteira internacional. Gorizia também está bem conectada a várias vilas e cidades na Itália por meio de uma extensa rede de ônibus que partem a cada poucas horas das estações de ônibus. Descer até Gorizia é muito fácil e agradável, pois o percurso é muito pitoresco.

O aeroporto mais próximo é o de Trieste.

TRANSFER – nós oferecemos o serviço de transfer em Gorizia e em toda a região do Friuli, veja AQUI

Onde comer:

A cozinha típica local sofre das influências friulanas, eslovenas e austríacas.  Eu decidi comer no Moscardino Bistrot na piazza della Vittoria.

Alguns pratos interessantes:

  • Um prato típico é o Brovada, ou nabo azedo e servido cozido para acompanhar o nariz ou o zampone.
  • O radicchio de Gorizia é famoso em suas duas variedades, o Rosa di Gorizia e o Canary: pode ser encontrado no mercado já curado ou em óleo.
  • O repolho de Sant’Andrea é outro vegetal símbolo da região, é usado no preparo da sopa, condensado com milho e temperado.
  • La Gubana é uma sobremesa típica e merece ser degustada, enquanto no final da refeição você tem que provar o Pelinkovec, um licor amargo típico da região.

Existem vários restaurantes na cidade onde os visitantes encontram comida típica italiana e eslovena. Também há muitos bons bares e pubs na cidade, onde estão disponíveis vinhos de boa qualidade produzidos com as vinhas da região. Alguns dos melhores restaurantes da cidade são o Ristorante Internazionale, o Ristorante Al Falegname e o Osteria Ca Di ‘Pieri.

Onde dormir:

Em Gorizia, a maioria dos hotéis está localizada perto da estação ferroviária principal, juntamente com alguns bed & breakfast baratos. Alguns dos melhores hotéis da cidade são Albergo Gorizia Palace, Grand Hotel Entourage, Albergo Alla Transalpina e Hotel Internazionale.

Durante a viagem pelo Friuli Venezia Giulia optei por fazer 2 bases, e dividimos pela proximidade com as cidades que eu queria visitar. Adorei todos os hotéis que ficamos:

  • Portopiccolo (pertinho de Trieste) – Em Portopiccolo ficamos em um 5 estrelas da Marriot Falisia, a Luxury Collection Resort & Spa, Portopiccolo que tinha um ótimo pacote com spa no e festa de reveillon. Dali visitamos os castelos de Miramare e Duino e a cidade de Gorizia e Trieste.
  • Udine – ficamos numB&B de Charme Casa Stucky pertinho do centro e dali visitamos Udine, San Daniele, Palmanova, Aquilea, Civitale del Friuli e Pordenone.

>

Algumas informações importantes

INFO VISITAMAPA

site oficial: http://www3.comune.gorizia.it/turismo/it

Transitar: Gorizia não é uma cidade muito grande, então se locomover é bastante fácil. Os visitantes podem caminhar pelo centro da cidade, que tem belas pequenas praças e ruas estreitas ladeadas por casas e edifícios antigos em ruínas. É possível ir à pé até a fronteira internacional e visitar a cidade eslovena de Nova Gorica. Outra opção é usar os ônibus públicos, que são utilizados principalmente pela população local. Os táxis não são muito comuns na cidade e não seriam necessários, uma vez que existem apenas alguns pontos turísticos na cidade que podem ser visitados a pé.

Museus:

  • Museo del Medioevo Goriziano: Borgo Castello, 36
    Horários:
    De terça a domingo: 10h00 às 19h00
    Fechado: segunda-feira, 25 e 26 de dezembro, 1º de janeiro
    Entrada: 3,00 euros
  • Museus Provinciais: Borgo Castello, 13-15
    As Casas Dornberg, Tasso e Formentini abrigam o Museu da Guerra, o Museu da Moda e Artes Aplicadas, a Coleção Arqueológica, a Coleção Etnográfica e a Pinacoteca.
    Horários: Terça a domingo, das 9 às 19, fecha às segundas-feiras;
    Entrada: bilhete para um local:  € 6; bilhete para duas localidades: € 7
  • Palácio de Attems Petzesntein: P.za De Amicis, 2
    Horário de funcionamento: terça a domingo, das 10 às 18, fecha às segundas-feiras
    Entrada: bilhete para uma localidade: € 6 integral – bilhete para duas localidades: € 7 integral;
Sobre Deyse RibeiroSou Deyse Ribeiro, nasci em Minas Gerais, e vivo na Itália há 14 anos. Sou especialista em turismo na Itália, onde adquiri experiência atuando desde 2011 como guia de turismo, criadora de conteúdo sobre turismo e empresária no ramo. Abri minha primeira empresa em 2017, e ofereço serviços, tours, transfers e experiências únicas na Itália, através do Portal TourNaItália.com - uma boutique de experiências diferente de tudo o que você já viu!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.