Portal Tour na Itália: turismo, cultura, tours, serviços e experiências!

O que ver em Trieste, uma ponte entre duas faces da Europa

A história de Trieste é composta de culturas e minorias que coexistem, de tráfego portuário florescente, de grande literatura e palácios opulentos, mas também de guerras, de memória. Conhecer a capital friulana significa ouvir o que este canto fascinante da Itália tem para contar, para o bem ou para o mal. O que ver em Trieste então? Tudo, mergulhando em suas ruas não só como turistas, mas com o coração.

Introdução

Trieste é a capital da região de Friuli-Venezia Giulia e tem uma população de cerca de 260.000 habitantes.

Esta bela cidade no nordeste da Itália é uma das mais importantes portas de entrada que, ao longo dos séculos, ajudou o comércio e a movimentação de pessoas dos países ocidentais para os localizados na Europa Central e Oriental. Trieste, na Itália é conhecida por muitos motivos, mas há uma coisa em particular que passou a representar a cidade mais do que qualquer outra coisa: a  Bora, um vento extremamente forte que se tornou uma espécie de marco da cidade. Esse vento pode, na verdade, ficar tão forte que cria problemas ao caminhar, tanto que correntes são colocadas nas ruas para oferecer suporte quando necessário.

Em origem foi um importante assentamento romano e uma cidade do império bizantino. Trieste desenvolveu um caráter verdadeiramente  internacional  que continuou mais tarde, com o estabelecimento do Império Austro-Húngaro e a subseqüente oscilação da cidade entre a Áustria e a Itália.

Esse sentimento mudou durante a Primeira Guerra Mundial, quando Trieste foi sujeito à mudança final que entregou a cidade à Itália para sempre, e a ascensão do fascismo eliminou qualquer elemento não italiano.

As coisas pioraram durante a Segunda Guerra Mundial, quando Trieste sofreu muito com os horrores do conflito. A invasão dos alemães primeiro, seguida pela dos iugoslavos, realmente derrubou a cidade no que parecia ser um centro de guerra sem fim, com morte e tristeza sem fim. Nos anos mais recentes, as fronteiras estreitas com a Iugoslávia e as repúblicas criadas após sua quebra resultaram em um interessante intercâmbio de pessoas e culturas.

Hoje, Trieste é uma cidade muito rica: é a casa da maior fábrica europeia de motores para barcos, e é também a cidade natal de Illy Caffè, uma das marcas de café mais reconhecidas do mundo. Uma das mais prestigiadas seguradoras e financeiras italianas, a  Generali,  também foi fundada aqui.

Trieste é considerada uma das principais cidades italianas por sua qualidade de vida, o que é certamente um reconhecimento merecido. Visitar Trieste é uma alegria, por seu maravilhoso porto e pelo Canal Grande, e claro, pela maravilhosa e deslumbrante  Piazza Unità d’Italia  (Praça da Unidade Itália).

A herança romana de Trieste também é ainda muito visível, tornando-a uma cidade muito diversificada do ponto de vista arquitetônico. Existem vários bons exemplos de vários estilos arquitetônicos, que vão desde um arco romano e um teatro, até a arquitetura austríaca, passando por uma confluência de vários estilos mediterrâneos.

Um porto muito importante, hoje como no passado, Trieste é a ponte entre duas faces diferentes da Europa, a ocidental e a central do sul.

Sua capacidade de misturar personagens mediterrâneos e centro-europeus é também sua característica mais fascinante. Quem visita esta bela e cosmopolita cidade se imerge em sua história, respira a multiculturalidade de seus bairros, onde viviam grandes escritores como Joyce e Italo Svevo.

Então, escolher o que ver em Trieste pode ser difícil, dadas as grandes possibilidades que a capital friulana oferece. Aqui estão algumas sugestões e lugares a não perder.

O que ver em Trieste

Comece pela Piazza Unità d’Italia, um bom lugar para começar a visitar Trieste. É a praça mais importante da cidade, de frente para o mar e com vista para alguns de seus mais belos edifícios históricos, como o Palazzo Pitteri ou o Palácio do Governo. A prefeitura é realmente sugestiva, com sua fachada elegante e o sino do relógio, tocado por duas estátuas de bronze que os trietinos chamam amigavelmente de Mihec e Jakec.

O Palazzo Pitteri é certamente uma das coisas para ver em Trieste, na Piazza Unità d’Italia. Na verdade, é o mais antigo da praça e o único que pode ser visitada por dentro. Foi construído em 1870 e as linhas arquitetônicas refletem o estilo daquela época, do barroco tardio ao rococó (saiba mais na parte dos museus).

O Palácio do Governo é outro importante assento institucional que pode ser admirado na Piazza Unità d’Italia. Foi construído como um palácio da tenência austríaca e hoje abriga a Prefeitura da cidade. A bela varanda é suavizada por mosaicos nas abóbadas, feitas com vidro de Murano.

Piazza Unità d’Italia está cheia de testemunhos do passado de Trieste, como a Fonte dos Quatro Continentes (Fontana dei Quattro Continenti), obra feita no século XVIII para celebrar o papel do “porto livre” que a cidade adquirira. A importância de Trieste como uma encruzilhada da Europa e do Mediterrâneo é representada pelas estátuas dos continentes e pelas alegorias dos rios, que derramam água de seus odres.

 

Ver a Piazza Unità d’Italia e o centro de Trieste do mar é uma sensação indescritível. Por esta razão, um passeio ao longo do Molo Audace, com mais de duzentos metros de comprimento e um destino perfeito para um passeio agradável, é uma obrigação. Ele permite que você entre no golfo e olhe para a cidade a partir de uma perspectiva inesquecível.

Um pouco distante da praça, você pode admirar a bela igreja de San Nicolò dei GreciFoi construída à beira-mar para proteger marinheiros e armadores, dos quais o santo é patrono, e é um dos mais importantes templos ortodoxos em Trieste.

Outro local interessante é a Piazza Della Borsa é uma das mais importantes do centro, uma verdadeira sala de estar em Trieste. Aqui você também pode admirar o antigo Palazzo della Borsa, até o centro comercial do século XIX.

Trieste está fortemente ligada ao mundo dos cafés, lugares históricos da cidade que estão localizados em todo o centro histórico, especialmente na Piazza Unità e Piazza Della Borsa. Durante séculos, tem sido o centro da vida social na cidade e no mundo da cultura, frequentado por escritores como Saba, Svevo e Joyce.

Deixando a Piazza Della Borsa você pode facilmente chegar ao antigo Teatro Romano, testemunho do mais antigo passado de Trieste. Construído à pedido do Imperador Trajano no primeiro século, foi descoberto nos anos 30 e hoje é usado novamente para apresentações ao ar livre.

Lugares para visitar em Trieste não faltam, mas para realmente entender a importância da cidade, o Castelo de San Giusto é um must see. Foi construído pelos venezianos, depois ampliado pelos austríacos para proteger o centro da cidade. No interior, uma rica coleção de armas e armaduras cobre as épocas do século XII ao século XIX, enquanto de suas muralhas você pode desfrutar de uma vista incomparável do golfo (saiba mais como visitar na parte museus abaixo).

Além do teatro e do castelo, a colina de San Giusto também abriga a Catedral de San Giusto, dedicada ao patrono. A igreja é majestosa e os historiadores estão convencidos de que ela foi construída unindo duas igrejas pré-existentes em um grande edifício. Dentro do rico tesouro da catedral e alguns antigos mosaicos bizantinos.

Do Castelo de San Giusto e do vizinho Parco delle Rimembranze  é possível chegar à Scala dei Giganti, uma elegante escadaria construída no início do século XX, nomeada assim “dos gigantes” por causa da altura de seus degraus. Do topo você pode desfrutar de uma excelente vista e, descendo, você pode continuar a visitar o centro histórico.

A visita da cidade romana termina com o Arco di Riccardo, não muito longe do Museu Cívico de História e Arte. Foi construído no primeiro século e é pensado para ser parte das antigas muralhas. A etimologia do nome remonta ao tempo das cruzadas, quando (segundo a lenda) em Trieste o rei da Inglaterra Ricardo Coração de Leão permaneceu como prisioneiro.

Em frente à estação Campo Marzio está a Praia Pedocin, uma das mais amadas e frequentadas pelos habitantes de Trieste, embora ainda mantenha o muro que foi usado para dividir homens por mulheres. Nenhuma discriminação, claro, mas o legado de um passado profundamente enraizado no coração desta cidade, tão curioso e particular.

O itinerário descrito até aqui permite apreciar o coração do centro histórico, o Colle San Giusto e a parte sul do porto; mas Piazza Unità d’Italia também pode ser o ponto de partida de outra rota, para descobrir, desta vez a parte norte de Trieste. As coisas para ver não faltam e um bom começo é o Grande Canal, que tem vista para alguns dos mais belos edifícios em Trieste, como o Palazzo Carciotti e o Palazzo Gopcevich.

De todos os palácios com vista para o Grande Canal, o Palazzo Gopcevich é certamente o mais impressionante, com os motivos coloridos da fachada e as decorações que os arquitetos projetaram para imitar o Palazzo Ducale di Venezia. Dentro da bela residência nobre abriga um museu dedicado ao teatro.

Até mesmo a Igreja de San Spiridone é impressionante por suas linhas certamente incomuns para uma cidade italiana. O templo ortodoxo sérvio do século XIX é, de fato, claramente inspirado na arquitetura bizantina, com sua cúpula, seus mosaicos e as quatro torres com sino. Um lugar a não perder se você quiser visitar Trieste mergulhando em sua alma multicultural.

A comunidade ortodoxa não é a única que sempre viveu com o italiano e o austríaco em Trieste. Porto e encruzilhada da Europa, a cidade abriga uma das maiores comunidades judaicas da Itália, que sofreu severa perseguição durante a guerra. Um museu lembra esses tristes acontecimentos – Museu da Comunidade Judaica.

O gueto judeu de Trieste está entre os maiores da Itália e, andando no centro histórico, é impossível não cruzar suas ruas, que se estendem desde a Piazza Della Borsa até a área de Riborgo. Dentro do bairro há também a bela e grande sinagoga, uma das mais impressionantes da Europa, perdendo apenas para o templo de Budapeste.

Outra visita interessante fora do centro histórico pode ser o distrito de Opicina, habitado principalmente por eslovenos. Para chegar até lá, você pode pegar o antigo bonde, inaugurado no início do século XX e ainda hoje em uso.

Museus

Na cidade o que não falta são opções de museus, veja alguns deles:

  • Os móveis e obras de arte no estilo Império estão no centro das fascinantes salas do Palazzo Sartorio (info), uma residência nobre no coração de Trieste e um testemunho perfeitamente preservado de como a vida burguesa deveria ter sido na cidade entre os séculos XVIII e XIX.
  • A capacidade de Trieste de ser um lugar de intercâmbio cultural entre a Europa e o Oriente permitiu à cidade enriquecer-se com importantes coleções de arte da China e do Japão, que agora são exibidas no Museu Cívico de Arte Oriental (info), um dois passos da Piazza Unità d’Italia. Civico Museo di Arte Orientale
  • Aqueles que viajam com crianças não podem deixar de parar no Imaginary Science, um centro interativo dedicado às crianças, que podem aprender sobre ciência tocando nele com caminhos experimentais, atividades educativas e visitas sugestivas ao planetário.
  • O passado deixou inúmeras evidências arqueológicas em Trieste: locais de interesse como a Basílica Forense são ladeados por coleções ricas e puras, como as do Museu Cívico de História e Arte ou Museo della Antichità (info), localizado não muito longe da catedral e abriga achados pré-históricos, egípcios e coptas. Vasos gregos e cerâmica maia. Civico Museo di Storia ed Arte

  • Anexado à visita ao museu arqueológico, há também a exposição do Jardim Lapidário (info), que acrescenta às esculturas clássicas inúmeras inscrições e relevos, de caráter honorário, sagrado e funerário, provenientes das escavações arqueológicas da cidade e da Ístria. Orto Lapidario
  • Se você visitar a cidade seguindo os passos dos grandes escritores que viveram lá, o que ver em Trieste, se não o Museu Joyce (info)? Ele está localizado no centro histórico e é o mais importante centro de estudos italiano sobre o autor irlandês, com uma rica biblioteca e testemunhos do período em que lecionou na Escola Berlitz. Museo Joyce.

  • Joyce não foi o único grande autor que viveu em Trieste, o local de nascimento de Italo Svevo. Mesmo ao lado do Museu Joyce, o Museu Sveviano (info) recolhe os seus objetos pessoais, mas sobretudo as suas obras, os seus manuscritos e o seu rico epistolário. Um mergulho no cotidiano de um dos mais importantes protagonistas da literatura italiana do século XX.  Museo Sveviano
  • Aqueles que amam a arte certamente apreciarão as coleções do histórico Museu Revoltella (info), um antigo palácio nobre que agora abriga uma das mais importantes galerias da cidade. O edifício está localizado não muito longe do Museu Joyce e o terraço do último andar também é um excelente ponto de vista sobre a cidade e o porto nas proximidades. Museo Revoltella
  • Aqueles que visitam Trieste devem saber que a cidade é frequentemente atingida por um forte vento: o Bora. É um evento climático com o qual o povo de Trieste aprendeu a viver juntos e que agora é o ponto de partida para um projeto de museu arrojado, o Museo della Bora (info), com o Magazzino dei Venti, a poucos passos do Palazzo Sartorio.
  • O Aquário Marinho é certamente um dos lugares de Trieste, acima de tudo pelo valor histórico que representa. É, de fato, uma das mais antigas do mundo, datada de 1933, e foi construída no edifício da liberdade do antigo mercado de peixe da cidade. Dentro dos tanques, pegue a água diretamente do mar, um sistema único, agora indisponível nos mais modernos aquários. Acquario Marino
  • Continuando a partir do aquário você pode facilmente chegar ao Museu do Mar (info), que conta a história de Trieste do ponto de vista dos navegadores que frequentavam o animado porto livre. Modelos de navios e veleiros de todas as idades acompanham instrumentos antigos e mapas detalhados do Golfo. Museo del Mare

  • Do Museu do Mar, o próximo passo é o Museu Ferroviário (info), situado nas proximidades, pelos voluntários do Dopolavoro, na estação abandonada de Campo Marzio. O museu é um verdadeiro paraíso para as crianças, mas também para os adultos que querem voltar um pouco ‘crianças e admirar as velhas locomotivas a vapor, bem como memorabilia, fotografias e até mesmo alguns belos modelos ferroviários. Museo Ferroviario
  • Outro importante museu em Trieste é o Kleine Berlin (info), um complexo de galerias construído por soldados alemães sob a cidade durante a Segunda Guerra Mundial. Eles foram usados ​​pela população militar e civil para encontrar abrigo durante o bombardeio: um pedaço da história para visitar e não esquecer.
  • A comunidade ortodoxa não é a única que sempre viveu com o italiano e o austríaco em Trieste. Porto e encruzilhada da Europa, a cidade abriga uma das maiores comunidades judaicas da Itália, que sofreu severa perseguição durante a guerra. Um museu lembra esses tristes acontecimentos – Museu da Comunidade Judaica (info).

Castello Miramare

Além do centro da cidade, Trieste oferece a oportunidade para algumas viagens realmente fascinantes fora da cidade, entre todos o no castelo de Miramare certamente o mais recomendado! O palácio no século XIX foi a residência de Ferdinand Maximilian de Hapsburg e é um dos exemplos mais encantadores de habitações principescas na Itália. Com seus quartos ricos e quartos com afrescos é absolutamente um dos lugares a visitar em Trieste.

O Castelo de Miramare está rodeado por um maravilhoso parque, ideal para caminhadas e para apreciar os jardins que pertenciam aos duques de Habsburgo. Todo o promontório também faz parte de uma reserva marinha protegida, onde é possível reservar visitas e cursos de mergulho.

Leia o texto -> O Castello di Miramare, perto de Trieste

🏷 Guia Prático

Como chegar em Trieste:

Trieste é uma cidade grande e um importante centro turístico, sendo de fácil acesso.

  • Aeroporto: O Aeroporto de Trieste tem muitos voos domésticos vindos de Gênova, Roma e Milão. Muitos voos internacionais também chegam à cidade a partir de locais como Copenhague, Munique, Londres, Praga, Belgrado e Bristol.
  • De trem: Há uma estação ferroviária na cidade que tem muitos trens que chegam regularmente de Udine, Veneza, Roma e Milão. Existem também alguns trens que chegam à cidade de locais como Zagreb, Budapeste, Maribor e Ljubljana.
  • De ônibus: Muitos ônibus também operam na região.
  • De carro: Quem viaja de carro pode pegar a rodovia A4 saindo de Veneza
  • TRANSFER – nós oferecemos o serviço de transfer em Gorizia e em toda a região do Friuli, veja AQUI

O que comer e beber:

Você não pode falar de Friuli sem mencionar a sua cozinha típica, realmente muito variada, graças à proximidade da Áustria e da Eslovénia, que trouxeram seus sabores e sabores, juntamente com os da tradição italiana.

Leia  o texto – Presunto San Daniele: o maravilhoso “prosciutto” do Friuli

O prato mais famoso é o “frico“, um hambúrguer à base de batatas e queijos locais, como o Montasio. Entre as montanhas de Carnia deve absolutamente provar o ravioli local, chamado “cjarsons”, enquanto que na costa a “jota” é uma sopa tradicional com chucrute, feijão e batata. Por fim, deve-se mencionar a gubana, sobremesa típica dos calli de Natisone, feita com passas, pinhões e grappa.

Para acompanhar os pratos típicos do Friuli você pode trazer para a mesa muitos excelentes vinhos. Entre os muitos vinhos brancos produzidos na região a não perder são os típicos Picolit e Ramandolo, enquanto entre os tintos não deve ser esquecido o Grave Doc, Refosco e Schioppettino.

Onde dormir:

Como mencionado, Trieste é um destino turístico muito importante na região e atrai milhares de turistas todos os anos. Como consequência, existem muitas opções de acomodação boas para você escolher. Há muitos hotéis luxuosos e de classe mundial na cidade, assim como muitos hotéis econômicos. Existem também alguns albergues e pensões que oferecem quartos baratos aos viajantes. Algumas das melhores opções de acomodação em Trieste são o Albergue da juventude Tergeste, o Hotel Porta Cavane, o B&B Adria, o Hotel Roma, o NH Jolly Trieste e o Greif Maria Theresia.

Durante a viagem pelo Friuli Venezia Giulia optei por fazer 2 bases, e dividimos pela proximidade com as cidades que eu queria visitar. Adorei todos os hotéis que ficamos:

  • Portopiccolo (pertinho de Trieste) – Em Portopiccolo ficamos em um 5 estrelas da Marriot Falisia, a Luxury Collection Resort & Spa, Portopiccolo que tinha um ótimo pacote com spa no e festa de reveillon. Dali visitamos os castelos de Miramare e Duino e a cidade de Gorizia e Trieste.
  • Udine – ficamos numB&B de Charme Casa Stucky pertinho do centro e dali visitamos Udine, San Daniele, Palmanova, Aquilea, Civitale del Friuli e Pordenone.

Algumas informações importantes

INFO VISITAMAPA

site oficial: https://www.discover-trieste.it/Home

Transitar: Como a maioria dos lugares na Itália, Trieste é um lugar divertido para passear admirando sua arquitetura antiga e suas muitas ruas estreitas repletas de cafés. Há também um sistema de ônibus público na área que é muito pontual. As informações estão disponíveis no site. Os bilhetes estão facilmente disponíveis na maioria das tabacarias e nas máquinas de venda automática nas paragens de autocarro. Como Trieste não é uma cidade muito grande, a maioria das atrações turísticas podem ser exploradas a pé.

Museus: Como a cidade tem um grande número de museus, coloquei o link para maiores informações (horário e ingressos) diretamente no texto.

Galeria de Fotos

Este slideshow necessita de JavaScript.

Sobre Deyse RibeiroSou Deyse Ribeiro, nasci em Minas Gerais, e vivo na Itália há 14 anos. Sou especialista em turismo na Itália, onde adquiri experiência atuando desde 2011 como guia de turismo, criadora de conteúdo sobre turismo e empresária no ramo. Abri minha primeira empresa em 2017, e ofereço serviços, tours, transfers e experiências únicas na Itália, através do Portal TourNaItália.com - uma boutique de experiências diferente de tudo o que você já viu!

1 comentário em “O que ver em Trieste, uma ponte entre duas faces da Europa”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.