Portal Tour na Itália: turismo, cultura, tours, serviços e experiências!

A História de Matera: de vergonha nacional a Patrimônio da Humanidade

Já ouviu falar na “Cidade de Pedra”? Famosa no mundo inteiro, Matera é uma cidade conhecida por suas múltiplas faces, seja o seu lado rochoso e até sombrio ou a sua parte mais animada e jovial. Portanto, há muito que ver em Matera.

Reconhecida como a Capital Europeia da Cultura em 2019, a cidade tem muito a mostrar aos visitantes que se aventuram a conhecer as suas cavernas subterrâneas, que são o grande encanto da região. Como se já não fosse o suficiente, essa é uma cidade declarada como Patrimônio Mundial pela UNESCO em 1993, o que torna a viagem ainda mais rica e cheia de história.

Introdução

Para conhecer Matera, precisamos contar sua história. Uma história de uma notável redenção social, resultado de um grande erro de avaliação de sua própria pátria, a Itália.

Sim, porque a agora famosa cidade dos Sassi, em 1950 foi rebatizada pelo então Primeiro-Ministro Alcide De Gasperi “vergonha nacional”.

Após a Segunda Guerra Mundial, na década de 1950, Alcide de Gasperi tornou-se primeiro-ministro do Governo italiano e propôs uma reforma que previa a evacuação das casas dos moradores de Matera dos bairros antigos e a consequente população da nova área de Matera. A cidade. Assim, os famosos bairros de Sassicolo foram considerados a Vergonha da Nação Italiana e permaneceram desabitados por quase 30 anos.

As manchetes dos jornais relataram aplausos e elogios a De Gasperi, que apagou a Vergonha Nacional da realidade do sul da Itália.

Nesses buracos escuros, vi alguns móveis miseráveis, camas e algumas roupas esfarrapadas penduradas para secar. No chão jaziam cachorros, ovelhas, cabras e porcos … Crianças apareciam de todos os lados, na poeira e no calor, nuas ou em farrapos, as pálpebras vermelhas e inchadas … e com os rostos enrugados de velhos, amarelos e cansados ​​de malária, seus corpos reduzidos pela fome a esqueletos … Nunca em toda a minha vida vi tal imagem de pobreza.

  • Carlo Levi

 

Na verdade, Matera sempre foi uma grande fonte de inspiração artística. Citamos estudos e obras como O Evangelho de Mateus, de Pier Paolo Pasolini, que usou as pedras como cenário para reproduzir a Terra Santa na época de Jesus. Esta obra-prima levou à redescoberta dos lugares e da beleza da velha e incontaminada Matera, a ponto de ser considerada a mais alta representação da “natureza urbana” construída inteiramente pelo povo.

Porque eles foram chamados de “Sassi”?

O nome “ Sassi ” coincide com os dois principais bairros de Matera: “ Civita ” e “ Piano “. Em torno da “Civita” foram criados o Sasso Barisano e o Sasso Caveoso.

Sasso Barisano é assim chamado devido à sua posição: por estar orientado para o noroeste leva o nome da cidade de Bari.

Sasso Caveoso, ao contrário, está orientado para o sul e leva o nome da cidade de Montescaglioso (conhecida na Idade Média como “ Mons Caveous. Sasso Caveoso é particular porque se caracteriza por casas construídas umas sobre as outras e cavadas dentro do tufo: com o tufo que sobrou, a “caverna”… aqui está o nome “ caverna.Esta área começou a povoar por volta do século 16 com a chegada das populações dos Balcãs.

É muito interessante saber que dentro das pedras existe um labirinto de becos e cavernas que por muito tempo foram as verdadeiras moradas do povo Matera.

Matera - Basilicata - Itália

Um pouco de história de Matera

O povoamento da civilização nesta área remonta à época do Paleolítico e, durante séculos, seus habitantes modelaram as asperezas rochosas para adaptá-las às suas necessidades.
Além das casas-caverna, os Sassi abrigam cisternas, armazéns e 156 igrejas de “pedra” , muitas das quais estão perfeitamente preservadas e enriquecidas com afrescos preciosos que datam de 700-800 d.C.

Como as pessoas viviam no Sassi?

Você não vai acreditar, mas essas casas-cavernas de aparência préhistórica foram habitadas até os anos 1950, procurado pelo governo italiano. Quase todas as atividades diárias aconteciam na cavidade, do artesanato à tecelagem, da preservação dos alimentos ao cuidado dos animais.

A temperatura era constante e rondava os 15 graus porque era garantida pelas características do tufo marinho em que se cavavam as grutas. Esse estilo de vida foi visto durante anos como um sinal de atraso e incivilidade.

Após a Segunda Guerra Mundial, na década de 1950, Alcide de Gasperi tornou-se primeiro-ministro do Governo italiano e propôs uma reforma que previa a evacuação das casas dos moradores de Matera dos bairros antigos e a consequente população da nova área de Matera. A cidade. Assim, os famosos bairros de Sassicolo foram considerados a Vergonha da Nação Italiana e permaneceram desabitados por quase 30 anos.

As manchetes dos jornais relataram aplausos e elogios a De Gasperi, que apagou a Vergonha Nacional da realidade do sul da Itália.

Na verdade, Matera sempre foi uma grande fonte de inspiração artística. Citamos estudos e obras como O Evangelho de Mateus, de Pier Paolo Pasolini, que usou as pedras como cenário para reproduzir a Terra Santa na época de Jesus. Esta obra-prima levou à redescoberta dos lugares e da beleza da velha e incontaminada Matera, a ponto de ser considerada a mais alta representação da “natureza urbana” construída inteiramente pelo povo.

Visita a Casa Grotta

A visita ao interior da Casa Grotta nei Sassi a típica casa-caverna, decorada com móveis e ferramentas de época, é uma ótima opção para compreender melhor como a vida familiar era organizada nas casas dos Sassi.

É um excelente exemplo para conhecer e compreender a evolução da história e da cultura camponesa de Matera; bem como para entender melhor os usos e costumes dos habitantes dos antigos bairros de Sassi di Matera antes de seu abandono.

A caverna é a casa típica dos Sassi escavada na rocha calcária. Grande parte dos camponeses de Matera viviam ali com toda a família e os animais, de mulas aos porcos.

As cavernas localizavam-se no térreo e consistiam em um único compartimento, iluminado e ventilado pela porta da frente e uma janela colocada no alto da porta.

estábulo era um com a habitação humana, e a cama era um colchão recheado de folhas de milho
Numa casa como aquela podiam viver até 10 pessoas, embora deva ser dito que viver significa comer e dormir, visto que a vida era em vizinhança para mulheres, crianças e idosos e acampamentos para homens.

Matera - Basilicata - Itália

O novo projeto para o Sassi de Matera

Em 1993, o arquiteto Pietro Laureano apresentou o projeto à UNESCO e Matera tornou-se Patrimônio da Humanidade. Os bairros antigos e as casas antigas foram novamente habitadas, mas com esgotos, água encanada, luz elétrica, aquecimento e todos os confortos e conveniências da vida moderna.

Matera Hoje

A ‘velha’ Matera, entretanto, percorreu um longo caminho nos últimos 70 anos.

Hoje, é um lugar para passear ao sol, maravilhar-se com a arquitetura, se apaixonar e ter uma noção de tudo o que há de maravilhoso no sul da Itália. Na sua posição de “a vergonha da Itália” , foi coroada como Cidade Europeia da Cultura de 2019. E as cavernas, antes poços de miséria, agora são procuradas como acomodações boutique.

Sobre Deyse RibeiroSou Deyse Ribeiro, nasci em Minas Gerais, e vivo na Itália há 14 anos. Sou especialista em turismo na Itália, onde adquiri experiência atuando desde 2011 como guia de turismo, criadora de conteúdo sobre turismo e empresária no ramo. Abri minha primeira empresa em 2017, e ofereço serviços, tours, transfers e experiências únicas na Itália, através do Portal TourNaItália.com - uma boutique de experiências diferente de tudo o que você já viu!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.