Portal Tour na Itália: turismo, cultura, tours, serviços e experiências!

15 Curiosidades sobre a Calabria

Vamos conhecer 15 Curiosidades sobre a Calabria, a “ponta da bota” da Itália.

A região Calabria (que em italiano não possui acento, ao contrário da versão em português, Calábria) é uma região de muita história, e por onde muitos povos já passaram. Gregos, romanos, bizantinos e normandos, entre outros, deixaram profundas marcas na região, e a  influência desses povos pode ser sentida até hoje, seja na língua, na culinária ou nos costumes do povo calabrês. Se essa viagem cultural não for suficiente para te convencer a conhecer, saiba que a região também tem belas praias, colinas, montanhas, belas cidades e muitos locais interessantes para visitar.

Algumas informações sobre a Calábria

  • A Calábria fica no extremo sul da Itália, e está dividida em cinco províncias: Cosenza, Crotone, Catanzaro, Vibo Valentia e Reggio Calabria;
  • Cerca de 91% do seu território é dividido em montanhas e colinas, e apenas 9% são planícies.
  • As principais cidades da região são Reggio Calabria, Catanzaro, Cosença, Crotone e Vibo Valentia. A capital da Calábria é Catanzaro.

Saiba mais sobre a Calábria. Veja todos os textos que escrevemos sobre a região:

Tropea - Calabria

Um pouco da história da Calábria

Pouco se sabe sobre as populações que habitavam a região antes da chegada dos gregos, no século VIII a.C, que estabeleceram diversas e prósperas colônias. Nos séculos III a.C. uma série de conflitos com os romanos vão paulatinamente diminuir a força dessas colônias, e toda a região seria conquistada pelos romanos por volta do 264 a.C. Com o fim do Império romano, em 476 d.C., a região ficaria sob domínio de bizantinos e lombardos, alternadamente. A região também sofria constantes ataques dos árabes.

Entre os séculos X e XVI, a Calábria mudou de mãos constantemente. Primeiro, os normandos se estabelecem na região, fundando o reino da Sicília, que incluía, além da ilha, todo o sul do território italiano. Em seguida seria a vez da Casa dos Hohenstaufen, seguidos dos franceses da Casa de Anjou e do Reino de Aragão. A partir de 1816, com a união dos reinos de Nápoles e da Sicília, surge o Reino das Duas Sicílias, da qual a Calábria fará parte até 1870, quando será anexada pelo Reino da Itália. 

15 Curiosidades sobre a Calábria

Calabria

1. A origem do termo” Italia”

Nos dias de hoje, quando pensamos em Itália, nos vem à mente o contorno atual do país, mas nem sempre foi assim. Originalmente, o termo era utilizado pelos romanos como referência ao sul do país, e somente muitos séculos depois passou a se referir a todo o território italiano.

Existem duas hipóteses para a origem da palavra: uma delas diz que as tribos do sul eram grandes criadores de gado, e tinham como símbolo um touro chamado de “vitalos”. Com o tempo, a palavra perdeu o v, resultando em “ítalos“, termo com a qual os habitantes da região eram chamados pelos romanos. A outra hipótese, de caráter mais lendário, diz que a palavra deriva de Ítalo, rei dos enótrios, um povo que habitou a região antes mesmo da chegada dos gregos.

2. A origem do termo “Calabria”

O termo, ao que tudo indica, era o nome de um povo antigo que viveu na região, chamados pelos romanos de “calabri”. Durante o governo de Augusto, os romanos dividiram o sul da Itália em várias regiões distintas: uma delas se chamava Regio II Apulia et Calabria (atuais Puglia e Basilicata), numa clara referência aos povos que ali viviam. Outra região era a Regio III Lucânia e Brutti, que corresponde à Calábria atual. Quando os bizantinos ocuparam a região, no século VI, passaram a chamar as duas regiões como Calábria. Posteriormente, os lombardos conquistaram as regiões da Puglia e Basilicata, e dessa forma apenas a Calábria atual continuou sendo chamada dessa forma.

Foto: WikiCommons

3. A Calábria já foi grega

Magna Grécia é o nome que se dá para o conjunto de colônias fundadas pelos gregos na região sul da Itália, mais precisamente, nas atuais regiões da Campania, Puglia, Basilicata, Calabria e Sicilia. A expressão Magna Grecia (Grande Grécia, em Latim) se deve ao fato de que os gregos estavam acostumados com o território apertado e densamente povoado da Grécia, e ficaram deslumbrados com a vastidão de terras para explorar. Além disso, essas cidades mantinham todos os vínculos culturais com sua terra natal, de forma a transformar as colônias em uma verdadeira extensão do território grego. 

Crotone - Calabria
Crotone. Foto: Pixabay

A colonização teve início entre os séculos VII e VI a.C, e entre as principais cidades fundadas, podemos citar Siracusa, Nápoles, Eleia, Agrigento, Lentini, Taranto e Catânia. Na Calábria temos Crotone, Sybaris, Locri, Reggio Calabria, Palmi e Lamezia Termi. Todas essas colônias caíram sob domínio romano no século III a.C, mas a influência deixada pelos gregos pode ser vista ainda hoje.

4. Falam-se muitas línguas

A Calábria é uma das regiões da Itália com maior diversidade linguística, fruto da influência sofrida por diferentes povos ao longo de sua história. Obviamente, os calabreses falam o italiano padrão, mas também tem o seu próprio dialeto, o calabrês. O calabrês, por sua vez, se divide em três variantes: o calabrês do norte, o calabrês do sul, e o greco-calabres, nas proximidades de Reggio Emília (resquícios do longo período de ocupação grega na região). Além disso, existem algumas comunidades de origem albanesa na região que são falantes do arberësh, um dialeto do albanês.

5. Fica na “ponta da bota”

Basta olhar o mapa da Itália para reparar porque o país é chamado carinhosamente de “bota”. O contorno do seu território realmente lembra uma bota, e muitas regiões são localizadas assim, identificando em qual parte da bota elas estão. Pois é, a Calábria corresponde à “ponta da bota”.

6. Muitas cidades-fantasma

Curiosidades sobre a Calábria

O fenômeno das cidades fantasmas é algo que ocorre em quase toda a Europa. Muitas pequenas cidades, seja por motivos econômicos, ou por estarem em áreas de grande isolamento, acabam perdendo boa parte de seus moradores  ao longo do tempo, e algumas são, de fato, abandonadas. A Calábria tem várias dessas cidades abandonadas, que acabam atraindo a atenção dos turistas, tais como Pentedattilo, Roghudi Vecchio, Papaglionti e Cela.

8. É a terra da pimenta calabresa

Pimenta Calabresa

Poucas pessoas sabem, mas a pimenta calabresa não é um tipo de pimenta, e sim, resultado de um processo de desidratação e trituração de qualquer tipo de pimenta. Esse processo surgiu na Calábria, e é normalmente utilizado para temperar embutidos. A Calábria é um dos maiores produtores – e consumidores – da chamada peperoncina picante, que é como eles chamam a pimenta por lá.

Leia o texto: Nduja, o Salame da Calábria

CURIOSIDADE: Você sabia que a linguiça calabresa, apesar do nome, não foi criada na Calábria? Ela foi criada no Brasil (por imigrantes vindos da Calábria).😱

Curiosidades sobre a Calábria
Foto: Pixabay

9. E da bergamota também

A bergamota é uma fruta cítrica, do mesmo grupo da tangerina, e originária da Calábria. Além da fruta em si, a casca da bergamota (Citrus bergamia) também é muito utilizada na produção de óleos essenciais aromáticos. Embora também seja produzida também na Argentina, Brasil e Estados Unidos, o solo da Calábria garante uma qualidade inigualável para o produto feito por lá.

Leia o texto: A Bergamota Calabresa e o famoso chá earl grey Inglês

Pitta Mpigliata
Pitta Mpigliata

9. Gastronomia de muito sabor e personalidade

A gastronomia da Calábria é muito rica e variada, embora não muito conhecida. Eis alguns pratos típicos da região que vale a pena experimentar:

  • Nduja di Spilinga: uma salsicha feita com carne de porco e pimenta;
  • sopressata: um tipo de salame seco, típico da região;
  • sardela: peixes em conserva misturados com erva-doce e pimenta vermelha;
  • peixe-espada: encontrado em abundância na região, pode ser preparado de diversas maneiras. O peixe-pescado no Estreito de Messina é reconhecido pelo sabor superior aos demais;
  • nzuddi: biscoitos doces de farinha mel e amêndoas;
  • Pitta mpigliata: uma massa folheada recheada com frutas secas;
  • vrasciole: almôndegas de vitela;
  • giuncata: um creme fresco de queijo, utilizado em entradas e petiscos;
  • caciocavallo Silano: feito com leite integral fresco;
  • cebolas de Tropea: amplamente utilizadas na culinária local, essas cebolas são famosas pelo sabor adocicado;
  • brasilena: um refrigerante feito com água mineral e infusão de café.
Parque Pollino
Foto: Wikipedia

10. Parco del Pollino, o maior parque da Itália

O maior parque natural da Itália é o del Pollino, com mais de 192.000 hectares de área. Criado em 1993, o parque está dividido entre as regiões da Calábria e Basilicata, abrangendo mais de cinquenta e seis municípios. A área protegida do parque oferece um refúgio natural para diversas espécies animais e vegetais, sobretudo, uma grande variedade de árvores. O parque tem área para caminhada, trekking, montanhismo e até rafting, garantido pelas presenças dos rios Lao e Frido. Dentro do parque, próxima do vilarejo de Papasidero,  encontra-se a Gruta de Romito, um importante sítio pré-histórico com exemplos de arte rupestre. 

11. Está pertinho da Sicília

A Calábria está separada da Sicília pelo Estreito de Messina, uma passagem no Mar Mediterrâneo que liga o Mar Jônico ao Mar Tirreno. A menor distância entre continente e ilha é de apenas 3,3 quilômetros. Atualmente é possível fazer a travessia através de um ferry boat, indo de Messina (Sicília) até a Villa San Giovanni (Calábria), mas existe um projeto em discussão para a construção de uma ponte ligando as duas localidades.

Etna - Vulcões na Itália
Etna

12. Tem um vulcão como vizinho 

Não existem vulcões na Calábria, mas os habitantes da região, sobretudo nas proximidades de Reggio Emilia, convivem com um vizinho um tanto quanto inóspito e perigoso: o Etna. O vulcão, um dos mais ativos da Europa, está localizado na Sicília, próximo da cidade de Catania, distante cerca de 100 quilômetros ao sul da Calábria. Parece distante mas, dependendo das condições, uma erupção muito poderosa pode causar sérios danos, mesmo a essa distância.  

Calabria

13. Tem belas praias

Com um litoral tão extenso como tem a Calábria, o que não faltam são belas praias. Existem opções para todos os gostos: desde praias mais badaladas e turísticas até mini paraísos isolados. As praias mais indicadas são:

  • Tropea: é a praia mais badalada da região, e costuma ficar lotada no verão;
  • Scilla: espremida entre as montanhas e o mar, Sicilia também é muito badalada, e é conhecida por aqui como  ‘Veneza do sul”. Diz a lenda que foi aqui que o herói Ulisses encontrou um monstro também chamado Scilla, conforme descrito na Odisséia;
  • Le Castella: uma pequena praia, menos procurada pelos turistas. Uma ilhota em frente a praia exibe um castelo do período em que os espanhóis dominavam a região;
  • Amantea: essa cidade fica mais ao norte, no Mar Tirreno, e além da bela praia, a cidade tem vários lugares interessantes para visitar, como a Igreja de São Francisco de Assis.

Bronzes de Riace - Calabria

14. Lá estão os Bronzes de Riace

Para quem gosta de história, vale a pena visitar o Museu Arqueológico Nacional de Reggio Calabria. Entre as muitas atrações que podem ser vistas estão os famosos Bronzes de Riace. Trata-se de duas enormes estátuas de bronze, medindo seis e oito metros de altura, encontradas no mar em 1972, próximo à cidade de Riace.

Não se sabe quem elas representam ou como foram parar no mar. Segundo especialistas, é possível estimar a possível idade das estátuas de acordo com o estilo de produção. Assim, acredita-se que elas foram esculpidas no século V a.C. Acredita-se também que uma delas possa ter sido uma criação de Fídias, um dos mais famosos escultores da Grécia Antiga.

15. Festas tradicionais e eventos 

Um dos festivais religiosos mais antigos (e polêmicos) da Itália ocorre na cidadezinha calabresa de Nocera Terinese, durante a semana santa. O Vattiente é uma procissão que encena a morte de Cristo, e na qual alguns participantes, os “vattientes”, promovem uma autoflagelação.  

Para quem gosta de música, o Magna Graecia Film Festival é um importante festival realizado em Catanzaro, e que promove os nomes de destaque no cinema italiano. Já o Kaulonia Tarantella Festival, que acontece em Caulonia, é o maior festival de música da região. Outro evento bem concorrido é o Festival de Jazz de Roccella.

Claro que tem eventos gastronômicos também. Spilinga celebra anualmente em agosto a Festa da Nduja é uma festa para promover a famosa Nduja di Spilinga, a salsicha feita com carne de porco e pimenta que é especialidade da cidade. Também em agosto acontece a Festa da Berinjela, em Palmo. Em Cittanova acontece o Festival Internacional do Stocco (um peixe muito apreciado na região).

A Calábria tem muito a oferecer para os visitantes. Belas paisagens, boa comida, muita história, e influências diversas que podem ser observadas em todos os momentos. Comente o que você achou sobre a região, e se estiver pensando em visitar a Calábria, temos várias opções de passeios por lá com guia em Português.

Sobre Deyse RibeiroSou Deyse Ribeiro, nasci em Minas Gerais, e vivo na Itália há 14 anos. Sou especialista em turismo na Itália, onde adquiri experiência atuando desde 2011 como guia de turismo, criadora de conteúdo sobre turismo e empresária no ramo. Abri minha primeira empresa em 2017, e ofereço serviços, tours, transfers e experiências únicas na Itália, através do Portal TourNaItália.com - uma boutique de experiências diferente de tudo o que você já viu!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.