Portal Tour na Itália: turismo, cultura, tours, serviços e experiências!

Veja todas as regras para quem viaja em abril para Itália.

O ministro da Saúde italiano assinou uma nova portaria que mantém as medidas de saúde Covid-19 existentes para chegadas em vigor por pelo menos mais um mês. Veja todas as regras para quem viaja em abril para Itália.

  • As regras afirmam que um certificado de vacinação Covid, certificado de recuperação ou resultado negativo do teste é suficiente para a entrada na Itália para viajantes de qualquer país.
  • A Itália também exige que as chegadas preencham um formulário de localização de passageiros (faça o download aqui).
O Ministério da Saúde deve rever as medidas novamente antes da nova data de expiração de 30 de abril.A confirmação das regras de viagem para abril ocorreu quando a Itália se preparava para aliviar algumas de suas medidas de saúde domésticas a partir de sexta-feira, 1º de abril.A Itália começará a suspender as restrições, incluindo a exigência de mostrar um ‘Green Pass’ (o certificado de vacinação) Covid para acesso a muitos locais e serviços, após o fim do estado de emergência pandêmico do país em 31 de março.

 

 

 

O que você precisa saber para a Itália em ABRIL

Chegando na Itália

A Itália estendeu suas regras de viagens internacionais e requisitos de entrada por mais um mês, até 30 de abril.

As regras atuais, portanto, permanecem em vigor; A entrada na Itália é permitida a partir de qualquer país, por qualquer motivo, desde que o viajante tenha:

  • Um certificado mostrando que o titular foi totalmente vacinado e reforçado com uma vacina Covid reconhecida (consulte a parte inferior desta seção para vacinas reconhecidas pela Itália).
  • Um certificado mostrando que o titular completou um ciclo de vacinação primária com uma vacina Covid reconhecida há menos de nove meses.
  • Um certificado mostrando o titular recuperado de uma infecção por Covid há menos de seis meses.
  • Um resultado negativo de um teste rápido de antígeno realizado nas 48 horas anteriores à chegada à Itália ou de um teste molecular (PCR) realizado nas 72 horas anteriores à chegada à Itália (o resultado do teste deve ser certificado por um provedor oficial – autocertificação um resultado negativo de um teste DIY não conta).

Os viajantes que chegarem ao país sem qualquer um desses documentos não terão a entrada negada, mas serão obrigados a se auto-isolar por cinco dias na chegada e testar negativo para Covid antes que possam sair da quarentena.

Todos os passageiros também devem preencher o EU dPLF (formulário de localização de passageiros) antes da partida, e podem ser impedidos de embarcar se não o fizerem.

Atualmente, a Itália aceita todas as vacinas reconhecidas pela EMA como AstraZeneca, Janssen e Pfizer, bem como Covishield (Serum Institute of India), R-CoVI (R-Pharm) e recombinante de vacina Covid-19 (Fiocruz).

Contudo, brasileiros completamente vacinados com Coronavac que têm dose de reforço de Pfizer também serão aceitos. Compreende-se também que brasileiros vacinados com Coronavac com dose de reforço da Janssen também serão aceitos, visto que o ciclo completo de imunização da Janssen é de uma só dose, e este fármaco é aprovado pela EMA.

“As pessoas vacinadas no Exterior com uma vacina não autorizada pela EMA (Agência Europeia de Medicamentos) podem receber uma dose de reforço com a vacina m-RNA (Pfizer ou Moderna) a partir de 28 dias e até um máximo de 6 meses (180 dias) da conclusão do ciclo primário. A conclusão deste ciclo integrado de vacinação é reconhecida como equivalente“, aponta um trecho do comunicado da ENIT.

Experiências Relacionadas

O ‘passe verde’ italiano e equivalentes

Há vários meses, o certificado de saúde de Green Pass ‘reforçado’ ou ‘super’ da Itália ou um equivalente (mostrando que o titular está vacinado ou recuperado recentemente do Covid) é obrigado a acessar a maioria dos locais e serviços em todo o país.

A partir de 1º de abril, esses requisitos foram afrouxados e apenas um número limitado de locais exige o ‘Super Green Pass’. Alguns espaços exigem apenas o ‘Green Pass básico’, que pode ser facilmente obtido por meio de um resultado negativo do teste Covid de uma farmácia para quem não tem vacina ou certificado de recuperação (consulte ‘Como fazer um teste Covid na Itália’, abaixo).

Todos os certificados de vacinação ou recuperação emitidos no exterior (desde que as vacinas em questão sejam reconhecidas pela Itália – veja acima) são considerados equivalentes ao passe super verde italiano e lhe darão acesso a todos os mesmos espaços.

VEJA BEM: Você não precisa converter sua vacina ou certificado de recuperação em um passe verde italiano como visitante da Itália .

Aqueles com um certificado de vacinação comum ou de recuperação sem um código QR simplesmente precisam mostrar seu certificado para a pessoa que realiza as verificações. Você não precisa de um código QR para que seu certificado seja reconhecido.

Os certificados que mostram que o titular está totalmente vacinado e reforçado têm validade indefinida como um equivalente de ‘super green pass’ na Itália. Os certificados que demonstrem que o titular se recuperou de uma infecção por Covid ou completou um ciclo de vacinação primária são válidos apenas por seis meses a partir da data da primeira infecção registrada ou da última dose.

Adultos viajando com crianças

De acordo com as últimas orientações do Ministério das Relações Exteriores italiano, menores de seis anos que viajam para a Itália estão isentos da exigência de fazer um teste de Covid para entrar no país – indicando que menores de seis anos não precisam fornecer nenhuma certificação ao viajar para Itália.

Na ausência de instruções mais detalhadas, deve-se presumir que os menores de seis anos estão sujeitos aos mesmos requisitos que os adultos que entram no país.

Uma vez na Itália, todas as crianças menores de 12 anos estão isentas da exigência de apresentar um passe verde ou certificação equivalente para acessar quaisquer locais ou serviços que exijam um.

Regras da máscara facial

As máscaras faciais não são mais necessárias ao ar livre na Itália, a menos que você se encontre em uma área lotada – portanto, você precisará ter uma sempre disponível, mesmo que não esteja usando.

A partir de 1º de abril, a Itália relaxa suas regras sobre o tipo de máscara necessária em ambientes internos.

  • As máscaras faciais ainda são obrigatórias em todos os espaços públicos internos na Itália.
  • Máscaras Ffp2 de alta qualidade continuam sendo exigidas em todos os tipos de transporte público doméstico (tanto locais quanto de longa distância); teleféricos e telecadeiras fechados, inclusive em estações de esqui; e em espetáculos, exibições, eventos e concursos abertos ao público (seja em recintos fechados ou ao ar livre).
  • Em todos os outros espaços públicos internos, máscaras cirúrgicas de grau inferior (mas não de pano) podem ser usadas a partir de 1º de abril.
  • As máscaras devem ser usadas em boates e discotecas, mas podem ser removidas quando alguém está dançando.
  • Estão isentas as crianças com menos de seis anos, as pessoas cujas deficiências significam que o uso de uma máscara obstrui a respiração e as pessoas que trabalham diretamente com pessoas com deficiência em circunstâncias em que o uso de uma máscara inviabilize a comunicação.

Hotéis, bares e restaurantes

A partir de 1º de abril, a Itália está eliminando a exigência de que os hóspedes do hotel apresentem um passe de saúde Covid.

Os hóspedes ainda precisarão apresentar uma vacina válida ou certificado de recuperação Covid (referido na Itália como passe verde ‘reforçado’ ou ‘super’) para acessar spas internos, academias e outras instalações esportivas dentro do hotel.

Esses certificados têm validade indefinida para quem está totalmente vacinado e reforçado. Para aqueles que fizeram apenas um ciclo primário de vacinação, ou se recuperaram do Covid, mas não foram vacinados, eles são considerados válidos na Itália por seis meses a partir da data da última dose/primeira infecção.

Para jantar ao ar livre em restaurantes, não é necessário certificado de qualquer tipo a partir de 1º de abril.

Para refeições em restaurante interno, é necessário um passe verde ‘básico’. Isso pode assumir a forma de um certificado válido de vacinação ou recuperação, ou um passe de saúde obtido por meio de um resultado recente de teste Covid negativo

Não é necessário nenhum passe de saúde para jantar em ambientes fechados em restaurantes de hotéis reservados para uso exclusivo dos hóspedes e não abertos ao público em geral.

Não há restrições para refeições ao ar livre na Itália a partir de 1º de abril.

Museus e locais culturais

A partir de 1º de abril, nenhum certificado de saúde de qualquer tipo é necessário para acessar museus na Itália. O mesmo vale para outros locais culturais e locais de interesse histórico.

Teatros, cinemas, salas de concerto, boates, outros locais de entretenimento indoor e arenas esportivas cobertas, no entanto, exigem uma vacina válida ou certificado de recuperação.

Eventos e competições desportivas ao ar livre podem ser acedidos através do passe verde ‘básico’ que pode ser obtido através de um teste Covid negativo, ou através de um certificado de vacinação ou recuperação.

Compras

A partir de 1º de abril, a exigência de apresentar um passe de saúde Covid para acessar a maioria das lojas na Itália foi eliminada. A partir desta data, não é necessário nenhum certificado de qualquer tipo para entrar em qualquer tipo de loja.

Como as lojas são um espaço público interno, são necessárias máscaras faciais (cirúrgicas ou Ffp2).

Lojas individuais ou centros comerciais também podem, a seu critério, continuar a limitar o número de clientes na loja a qualquer momento.

Lojas na Itália agora podem ser acessadas sem nenhum tipo de passe de saúde Covid.

 

Viajar dentro da Itália

A Itália descartou seu sistema de “zona” com código de cores de quatro camadas, que concedeu um status de risco Covid a regiões ou cidades individuais com base em sua taxa de infecção e dados de internações hospitalares e que às vezes impunha restrições a viagens inter-regionais.

As viagens dentro da Itália são, portanto, irrestritas; no entanto, durante todo o mês de abril, o passe verde básico é obrigatório em todos os transportes públicos de longa distância, incluindo aviões, navios, balsas, aviões e ônibus.

Nenhum passe de saúde de qualquer tipo é agora necessário para o transporte público local (como ônibus urbanos e bondes).

Atualmente, é necessária uma máscara facial Ffp2 de alta qualidade em todos  os transportes públicos na Itália.

Como fazer um teste Covid na Itália

Obter um teste rápido de antígeno ou PCR na Itália para obter o certificado básico de saúde do passe verde para acessar determinados locais e serviços é relativamente simples.

Um grande número de farmácias na Itália oferece serviços de teste rápido; procure sinais dizendo ‘teste Covid-19’ na janela.

Se você precisar de um teste de PCR, provavelmente terá que agendar um em um centro especializado em testes Covid, um laboratório médico, centro de saúde ou consultório médico.

Assim que você receber seu resultado negativo (o teste não pode ser um teste caseiro, mas deve ser administrado pela farmácia ou pelo próprio laboratório), a farmácia emitirá um passe verde básico que contém um código QR.

O passe terá validade de 48 horas a partir da realização do teste no caso de teste rápido, ou 72 horas no caso de teste PCR.

Sobre Deyse RibeiroSou Deyse Ribeiro, nasci em Minas Gerais, e vivo na Itália há 14 anos. Sou especialista em turismo na Itália, onde adquiri experiência atuando desde 2011 como guia de turismo, criadora de conteúdo sobre turismo e empresária no ramo. Abri minha primeira empresa em 2017, e ofereço serviços, tours, transfers e experiências únicas na Itália, através do Portal TourNaItália.com - uma boutique de experiências diferente de tudo o que você já viu!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.